Fashion Rio traz de volta ícones dos anos 80

Apesar das propostas diferentes, as grifes que se apresentaram ontem no Fashion Rio deixaram um recado: apostam na volta de ícones dos anos 80. Blazers longos, camisões e tubinhos são alguns dos modelos que marcaram a década e que nos desfiles ganharam novas leituras. Num desfile ao ar livre, Walter Rodrigues insistiu nas sobreposições: calça com vestido, short com saia, regata com top transparente ou com tomara que caia. Branco, preto e amarelo foram as cores escolhidas. O estilista fez camisas brancas em laise com cortes criativos - costas nuas, golas grandes. Walter optou por fugir da moda festa quando abriu seu showroom em São Paulo. "As roupas em alfaiataria tiveram boa saída e pela primeira vez vi peças serem usadas mais de uma vez."A obra da japonesa Yayoi Kusama, uma das grandes expressões da pop arte, serviu de inspiração para Luciano Canale desenvolver vestidos com bolas e círculos para a Sta Ephigênia. Já Alessa Migani, numa proposta de dar água na boca, fez estampas desenhadas a partir de fotos de pratos de chefs famosos. Ainda colocou na passarela vestidos com cara de avental, de xantungue, cetim e crepe de seda. Para completar: acessórios comestíveis, montados com jujubas e marshmallows.O verão da Lenny será de estampas étnicas, passando por África e Tailândia, de folhagens e do oceano. A estilista Lenny Niemeyer criou biquínis que valorizam as formas. Lenny também pensou em macacões, shorts e minivestidos em seda, linho ou crepe. Giulia Borges, que se apresentou depois de Lenny, olhou para o céu ao criar sua coleção de verão: balões, pipas e tudo o que lembra "dias de brisa" apareceram nas roupas. Losangos e franjas em viés em vestidos e camisas remetiam às pipas. Em clima de anos 20, a Tessuti desfilou vestidos com cinturas rebaixadas e franjas, ao estilo melindrosa. Os tecidos davam leveza às roupas: organzas, jérseis, cetins de seda e tafetá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.