Favela na região do Brás é desocupada

A favela da Rua Monsenhor Andrade, no Brás, região central da Capital, foi destruída hoje por agentes da Subprefeitura da Mooca, da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana. A reintegração de posse começou às 7 horas com tratores da Prefeitura derrubando os 74 barracos instalados ali e nas ruas Mendes Caldeira e Professor Eurípedes Simões de Paula. Houve resistência e duas pessoas foram detidas.Um a um, os barracos foram esmagados e o entulho, recolhido. "Em uma casa com cinco crianças havia 20 ratos", relatou o subprefeito da Mooca, Eduardo Odloak, que acompanhou a operação. Agentes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) estiveram no local e, depois da limpeza das ruas, a área será desratizada, nesta tarde. A Eletropaulo desligou cinco ligações clandestinas que abasteciam, cada uma, 20 barracos. As 66 famílias que moravam na favela já haviam sido intimadas, na última quinta-feira, a deixar o local. Durante a operação, duas pessoas foram detidas e levadas ao 12º Distrito Policial. De acordo com o inspetor Pádua, da GCM, eles teriam tentado incendiar os próprios barracos. Aos moradores, a subprefeitura ofereceu abrigos e passagens de volta à terra natal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.