Favelas de Jacarezinho e Manguinhos devem estar no roteiro do papa no Rio

Na próxima semana, representante do Vaticano vem ao País para definir agenda do pontífice

Luciana Nunes Leal - O Estado de S. Paulo,

19 Abril 2013 | 09h36

RIO - As favelas de Jacarezinho e Manguinhos, na zona norte, onde funcionavam as maiores cracolândias do Rio até a instalação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), em janeiro deste ano, estão na lista de opções de comunidades que poderão receber a visita do papa Francisco, durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), entre os dias 23 e 28 de julho. Como um dos pontos de reflexão da jornada é a vulnerabilidade dos jovens diante das drogas, a ideia é que o papa visite uma favela que, embora já tenha UPP, ainda esteja em processo de pacificação.

Ainda há, no entanto, na organização da JMJ, um grupo que defende que o pontífice vá ao Vidigal (zona sul), em homenagem à histórica visita do papa João Paulo II, em 1980. A favela do Juramento, na zona norte, não pacificada, é outra opção em análise. Segundo pessoas envolvidas na organização da visita do papa, o Vaticano mostrou preferência por visita a comunidades mais vulneráveis em vez de favelas já pacificadas há bastante tempo e ponto de atração de muitos turistas estrangeiros, como Dona Marta, Chapéu Mangueira e Cantagalo, todas na zona sul. Algumas comunidades deverão ser visitadas, a partir da próxima terça-feira, pelo responsável pelas viagens internacionais do papa, Alberto Gasparri.

O representante do Vaticano ficará no Rio até o dia 27, quando será fechada a agenda do pontífice no Rio, com o Comitê Organizador Local (COL), presidido pelo arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta. Ainda no espírito da atenção aos viciados em drogas, está prevista a inauguração de um centro de atendimento e tratamento de dependentes químicos, nova unidade do hospital da Venerável Ordem Terceira de São Francisco, na Tijuca (zona norte).

Em visita à comunidade de Mandela, no Complexo de Manguinhos, onde rezou uma missa na igreja de São Miguel

Arcanjo, na última terça-feira, o secretário-executivo da Jornada, monsenhor Joel Portella Amado, evitou falar nos nomes das favelas que poderão ser visitadas pelo papa, mas disse que a segurança será um fator decisivo para a escolha. "Um local violento não coloca só o papa em risco, coloca os peregrinos também", afirmou. Cerca de cem peregrinos deverão ficar hospedados em Mandela, 15 deles no salão da igreja e os demais em 50 casas oferecidas por moradores.

"Eu nem acreditaria se nossa comunidade fosse escolhida para a receber o papa", disse a moradora Adriana de Souza Lima, de 43 anos, técnica em enfermagem e voluntária da JMJ, na terça-feira. Depois da instalação das UPPs de Manguinhos e do Jacarezinho, as cracolândias se dissiparam, mas os usuários de crack passaram a vagar por áreas próximas, ao longo da Avenida Brasil. No Complexo de Manguinhos, no mês passado, três policiais da UPP foram afastados do trabalho de rua depois de serem acusados por moradores de participarem de um tiroteio que levou à morte de um jovem da comunidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.