Faxina no Dnit derruba diretor antes da posse

Indicado por um dos dirigentes afastados após denúncias, Augusto César Carvalho Barbosa de Souza assumiria Diretoria de Administração e Finanças

Vannildo Mendes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2011 | 00h00

O contador e administrador Augusto César Carvalho Barbosa de Souza nem sequer chegou a tomar posse na Diretoria de Administração e Finanças do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Ele foi desconvidado dentro da política de limpeza ordenada pela presidente Dilma Rousseff no setor de Transportes, atualmente sob suspeita de envolvimento em irregularidades que já derrubaram o ministro Alfredo Nascimento e outros seis membros da cúpula da pasta ligados ao PR.

Por meio de ofício publicado ontem no Diário Oficial da União, a presidente pediu ao Senado a retirada de pauta do nome de Souza, que ela própria indicara para o cargo por sugestão do ex-chefe de gabinete do ministério Mauro Barbosa, um dos primeiros afastados após a onda de denúncias. Ele seria sabatinado no último dia 7 pela Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado, à qual compete chancelar as indicações para o Dnit.

A unção de Souza parecia favas contadas - tinha até relatório favorável do senador Blairo Maggi (PR-MT), aprovado na comissão, que o definiu como "qualificado para assumir o cargo". Mas a escolha deu para trás após a divulgação das denúncias, no início do mês. Com especialização em administração pública, Souza é oriundo da Controladoria-Geral da União (CGU), onde exerceu funções de chefia, entre as quais a de coordenador-geral da área de Contas do Governo.

Desde 2006, Souza é ouvidor do Dnit e, a partir de 2008, passou a acumular também o cargo de corregedor da instituição, encarregado de investigar e punir responsáveis por desmandos. Agora, de investigador ele passa à condição de investigado pela CGU, que realiza auditoria minuciosa em todos os contratos da pasta. Souza não quis se manifestar sobre o "desconvite". A assessoria do Dnit informou que a escolha ou retirada de nomes para a diretoria do órgão é de competência exclusiva da Presidência.

Os próximos alvos da "faxina" serão conhecidos em breve, segundo informações do próprio governo. O ministro Paulo Sérgio Passos reuniu-se ontem por mais de duas horas com a presidente no Planalto. Desde que assumiu o cargo, em 12 de agosto, ele vem anunciando demissões cirúrgicas de dirigentes do setor a cada reunião com Dilma. Mas ontem não se manifestou.

Está prevista a demissão, ou afastamento, entre outros, do diretor de Infraestrutura Rodoviária do Dnit, Hideraldo Luiz Caron, e do presidente interino da Valec, estatal que cuida das ferrovias, Felipe Sanches, conforme antecipou o Estado no sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.