FBI investiga central telefônica em município do RS

O FBI, a polícia federal americana, vai investigar os telefonemas para o Oriente Médio feitos às vésperas do atentado de 11 de setembro de uma central clandestina descoberta em Cachoeirinha, na região metropolitana de Porto Alegre. A central funcionava em um sobrado que foi alugado em 31 de agosto por dois homens e uma mulher com sotaque de fora do Rio Grande do Sul. Eles abandonaram o local exatamente no dia 10 de setembro, o que reforçou as suspeitas da Polícia Federal sobre envolvimento com grupos terroristas.As contas telefônicas da Embratel deixadas para trás pelos golpistas soma mais de R$ 75 mil e contêm 452 de ligações para países como a Índia e a Arábia Saudita, principalmente, mas também para o Paquistão e o Afeganistão, países que abrigam movimentos e grupos islâmicos extremistas. O FBI vai checar se os celulares que receberam ligações de Cachoeirinha pertencem a terroristas ligados a Al-Qaeda, comandada por Osama bin Laden.Oficialmente, a casa foi alugada por Jonathan Fernandes Waltz. As contas telefônicas foram emitidas em nome de Terezinha Ferreira da Silva, Maria Luiza Navarro e Wilson Ferreira Rocha Júnior - identidades que não se sabe ainda se são verdadeiras. Ao todo, existiam 41 linhas telefônicas funcionando no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.