Febem de Parelheiros é desativada e pode virar cadeião

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, desativou hoje a unidade da Febem que ficava em Parelheiros, na zona sul de São Paulo. Segundo Alckmin, os internos foram transferidos para novas unidades, mais próximas de suas famílias, e o prédio deverá se transformar em um centro de detenção provisória (CDP), conhecido popularmente como cadeião."Essa era a última unidade da Febem que estava fora do novo modelo", explicou. Segundo ele, as novas unidades hoje são menores, têm agenda educativa e são mais descentralizadas, ou seja, estão em várias regiões do Estado. Dessa forma, o interno detido fica mais próximo de sua família e comunidade. Nelas, há desde o ensino profissionalizante até orientação religiosa, pois permite o acesso de integrantes de igrejas católicas e evangélicas, respeitando o credo de cada interno.A Febem de Parelheiros chegou a ter 200 jovens presos, mas nos últimos tempos tinha cerca de 70 internos. "Eles foram encaminhados para novas unidades. Os adolescentes que são do Interior e estão em São Paulo vão para essas outras regiões", contou. Há novas unidades em cidades como São Carlos, São José do Rio Preto, Campinas, duas na Baixada Santista, Marília, Bauru, entre outras, totalizando 16 Febens.Alckmin disse que esse novo perfil da Febem já deu resultados positivos. Segundo ele, o número de fugas em 2000 foi de 1.600, e no ano passado foram 62. Foram registradas 60 rebeliões no ano retrasado, em 2001 foram duas e este ano, passados seis meses, não se registrou nenhuma rebelião, de acordo com o governador. "O índice de adolescentes que saíam da Febem, se envolviam novamente com o crime e retornavam era de 30% e hoje é de 6%", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.