Febem tem clima de concentração nazista, acusa promotor

Denúncias de maus-tratos contra os internos, que estariam sendo praticados por funcionários das três unidades da Febem de Ribeirão Preto, no interior paulista, estão sendo investigadas pelo Ministério Público Estadual. Mães e internos estão sendo ouvidos pelo promotor da Infância e da Juventude, Marcelo Pedroso Goulart. "Existe a política da prática do terror na Febem", diz o promotor. "O clima é de concentração nazista, só não mataram até agora." A assessoria da Febem informou que uma sindicância interna foi aberta na semana passada. Goulart afirma que os internos estão sendo agredidos rotineiramente. Fotos foram tiradas dos adolescentes, com hematomas em várias partes dos corpos. Exames de corpo de delito foram solicitadas. Também é investigada a ação da Tropa de Choque da Polícia Militar, que teria se excedido durante uma rebelião ocorrida no final de julho.Uma comissão formada pelo MPE, Ordem dos Advogados, Pastoral do Menor, conselhos tutelares, foi formada e também está ouvindo os depoimentos de mães e adolescentes. As mães afirmam que as agressões e represálias continuam ocorrendo, mesmo com as denúncias investigadas pelo Ministério Público. Elas teriam constatado isso durante a visita no final de semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.