Febre amarela na região de Itapetininga preocupa especialista

Caso se confirme, onda de casos terá viajado numa velocidade de 100 quilômetros por mês, diz epidemiologista

Fabiana Marchesi, da Central de Notícias,

15 de abril de 2009 | 23h11

O avanço no número de casos da febre amarela no interior de São Paulo e o padrão de espalhamento da doença na distância dos casos preocupam o epidemiologista Eduardo Massad, da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual de São Paulo. Isso porque a maioria dos casos confirmados da doença está na região de Botucatu, mas uma morte foi confirmada em Buri, na região de Itapetininga.

 

"A confirmação de uma morte em decorrência da doença no município de Buri prova que a onda de casos atingiu uma velocidade de espalhamento de 100 quilômetros por mês", alerta o especialista. Contudo, o especialista garante que a vacinação é o meio mais eficaz no combate a doença e que a Secretaria da Saúde tem atingido os objetivos apropriados no combate a uma epidemia. Mas ele acrescenta que não há como explicar a ocorrência dos vários casos já confirmados. 

 

De acordo com o último boletim divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado, entre 22 de fevereiro e 27 de março, foram confirmados 22 casos da doença, com nove mortes nos municípios de Sarutaiá, Avaré, Piraju e Buri, áreas consideradas de risco.

 

Já o médico Carlos Magno Fortaleza, chefe do Departamento de Doenças Tropicais da Faculdade de Medicina de Botucatu, disse que não há motivo de preocupação, porque que a vacina é eficaz e na região foram vacinadas numa única semana 500 mil pessoas. Para ele, os 11 casos tratados no hospital foram provavelmente de pessoas que não se vacinaram.

 

Nesta quinta-feira, 16, a coordenadora da Vigilância Epidemiológica  de Itapetininga, Carmelina Aguida Marcondes, garantiu que 85% da população já foi vacinada e até sexta-feira, 17, 90% dos moradores estarão vacinados, inclusive os que residem nos bairros rurais.

 

A prefeitura de Itapetininga garantiu que não há motivos para preocupação, já que após a confirmação do caso de Buri todas as medidas foram tomadas para garantir a segurança dos moradores.

 

Tudo o que sabemos sobre:
febre amareçaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.