Victor R. Caivano/AP
Victor R. Caivano/AP

Fechamento de lixão de Jardim Gramacho deve ser modelo para País

Ministra do meio ambiente, Izabella Teixeira, lança 'desafio de o Estado do Rio de Janeiro ser o primeiro a cumprir Política Nacional de Resíduos Sólidos'

03 Junho 2012 | 13h48

RIO DE JANEIRO - A ministra do meio ambiente, Izabella Teixeira, quer que o fechamento do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias, que recebia o lixo do Rio e da cidade vizinha, seja modelo para todo o País. Citando a meta do Estado do Rio de fechar todos os aterros no entorno da Baía de Guanabara até o fim do ano, a ministra disse que está lançado o “desafio de o Estado do Rio de Janeiro ser o primeiro a cumprir a Política Nacional de Resíduos Sólidos”.

Veja também:

linkFechamento terá grande impacto na renda dos moradores do bairro

A Política Nacional de Resíduos Sólidos foi instituída pela 12.305, de 2010. O objetivo da política é fechar todos os lixões do País até 2014. A ministra definiu o cumprimento do prazo para implantação da política como um “desafio imenso”.

“O prazo é muito curto, mas é importante que os instrumentos para a concepção desse objetivo sejam consolidados”, disse Izabella em entrevista coletiva durante a cerimônia de encerramento das atividades do aterro de Gramacho, considerado o maior da América Latina.

A ministra também lembrou que a responsabilidade de erradicação dos lixões é dos municípios. O governo federal tem atuado no financiamento de iniciativas locais de adequação à lei.“Os Planos Municipais de Resíduos Sólidos são necessários exatamente para a erradicação do lixões. Além disso, até o fim do ano implantaremos, em quatro cadeias, a estrutura de logística reversa”, completou Izabella.

Segundo a ministra do Meio Ambiente, ao fechar o aterro e construir o Centro de Tratamento de Resíduos de Seropédica, o Rio dá exemplo, com o município “atuando de maneira global”. Não temos nada que vai apequenar a participação da cidade do Rio de Janeiro na Rio+20, como anfitriã”, disse Izabella, lembrando que a partir do dia 5 a área do Riocentro estará entregue à ONU.

“A gente passou os últimos 30 e poucos anos cometendo um enorme crime ambiental, que é esse lixão às margens da Baía de Guanabara”, disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes, que comandou a cerimônia de fechamento do Aterro de Gramacho ao lado da ministra Izabella e do secretário estadual de Meio Ambiente, Carlos Minc. Segundo Paes, a Prefeitura investirá R$ 2 bilhões nos próximos 15 anos em tratamento de lixo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.