Feira de esportes e aventuras deve receber 23 mil visitantes

A quarta edição da Adventure Sports Fair (Feira de Esportes e Turismo de Aventura) - aberta na última quarta-feira no Pavilhão de Exposições da Bienal do Ibirapuera e que deverá terminar às 22h de hoje - não poderia ter sido melhor. E quem constata isso é Sérgio Bernardi, diretor da Promotrade, empresa que há quatro anos organiza o evento em São Paulo. "Acho que a feira tornou-se a grande vitrine do ecoturismo no Brasil, uma das áreas que mais cresceu no País neste ano", salienta Bernardi, garantindo que o crescimento no setor foi da ordem de 30%. Dentre os 233 expositores participantes da feira, que tem o apoio da Rádio Eldorado, estão secretarias de turismo de 15 estados brasileiros. "Com o apoio da Embratur, que está disponibilizando informações sobre 96 pólos de ecoturismo no Brasil, acredito que o setor vai passar a ter uma política mais norteada, aumentando o potencial a ser explorado do País. Temos por aqui as melhores condições para oferecer todos os tipos de turismo de aventura, com litorais, cannyons, cavernas, cascatas e tantas outras coisas". Com várias atrações para o público - que teve de desembolsar R$ 10 para entrar no Pavilhão - a Feira atraiu, até ontem, cerca de 68 mil pessoas aos estandes, que ofereciam todas as opções para quem quer se iniciar no esporte ou turismo de aventura, do balonismo ao trekking, do off road ao mergulho. "Acredito que neste domingo cerca de 23 mil pessoas passem por aqui, assim como ocorreu neste sábado. Quanto às negociações realizadas dentro da feira, as estimativas apostam em algo perto de R$ 55 milhões e, se não chegarmos nesse valor, ficaremos bem próximos", garante Bernardi. Para o diretor da Promotrade, o crescimento do ecoturismo no País também colabora para desenvolver outros setores como o de vestuário, acessórios e equipamentos dirigidos aos praticantes. "Até bem pouco tempo atrás, a indústria não tinha noção de que poderia haver uma junção entre os setores para que todos pudessem ser beneficiados. Quando uma pessoa compra um pacote de ecoturismo numa agência, por exemplo, automaticamente se interessará pelos acessórios adeqüados para a sua viagem. Ou seja, uma coisa sempre vai levar à outra", explica. AtraçõesNo Adventure Park foram montadas várias atrações gratuitas que garantiram a diversão de quem passou pelo local: pista de off road, tanque de mergulho, parede para escaladas, pista sintética de snowboard, uma pista de bike e circuito de arvorismo, entre outras. A Orbit Ball - uma invenção que está chegando agora no Brasil através do argentino Hernan F. Naka - foi outra vedete da Adventure Fair. A diversão dura apenas 7 segundos, tempo necessário para a bola gigante inflável deslizar pela rampa de 40 metros do Pavilhão. Dentro da bola vão sempre duas pessoas, que pagam R$ 8 para ter a sensação do "mundo virar de cabeça para baixo". "Cerca de 400 pessoas estão passando por aqui todos os dias", contou o empresário, que trabalha há sete anos com promoções e eventos. Outra atração cobrada a parte foi o "bungee trampolim", onde a pessoa fica presa a cordas elásticas e livre para saltar numa cama elástica. Neste caso, a taxa de R$ 5 teve de ser estipulada para evitar as enormes filas (de cerca de 1m30 de espera) que se formaram no local durante os quatro primeiros dias do evento.

Agencia Estado,

03 de novembro de 2002 | 15h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.