Feirante é acusado de matar bebê de 4 meses

O feirante Gilmar Pereira da Silva, de 32 anos, foi autuado hoje no 45.º Distrito Policial, de Vila Brasilândia, acusado de ter assassinado, de madrugada, a menina Ingrid, de 4 meses, afogando-a num balde.Silva confessou o crime depois de cair em contradições. Alegou que matou a menina por causa dos desentendimentos que tinha com a mãe da criança, J.C., de 15 anos. Ela é filha da mulher com quem Silva vive. O acusado tentou incriminar o pai do bebê, Anderson Casemiro Linho, de 18. Escreveu um bilhete com os dizeres: "Ju, matei porque estava muito louco. Linho."O investigador Djalma Bauer não acreditou no feirante, que disse ter encontrado o bebê se afogando e o bilhete, com a confissão. "Mandei que ele escrevesse diversas vezes os mesmos dizeres do bilhete. A letra é a mesma, e ele confessou o crime." Silva foi agredido pela mãe e pela avô do bebê. Ele afirmou que depois de ter feito uma tatuagem de caveira no braço direito, há cinco anos, passou a ouvir vozes. "Acordei de madrugada com o choro da criança e a voz mandou eu matar e deixar o bilhete dizendo que tinha sido o Linho. Fiz tudo direitinho."

Agencia Estado,

30 de março de 2002 | 23h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.