Feldman quer convênio com as universidades

O secretário municipal de Esportes, Walter Feldman, considera o clube-escola um sucesso, apesar de admitir falhas e o atraso nas reformas. "As licitações são demoradas, aí veio a crise e tivemos de rever a meta para 200 clubes até 2012. De qualquer forma, acho que o projeto é um sucesso. Prefiro crescer com conteúdo do que atingir uma universalidade sem estar ministrando boas ações", argumentou o secretário. Segundo Feldman, seu "sonho" era de ter um clube para cada 4 escolas. Hoje, a média é de 1 para cada 12 escolas. "Nós encontramos os clubes em absoluta situação de abandono. Tivemos de fazer as reformas, depois a licitação para escolher as entidades parceiras. Houve atraso, mas podemos dizer que o avanço conquistado até agora torna o projeto um modelo inédito na gestão do esporte." Por mês, Feldman disse que cerca de 100 mil pessoas frequentam as 96 unidades abertas. Do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (Fumcad), foi para o programa R$ 1,4 milhão, verba que será utilizada na construção do Clube-Escola Olímpico de Cidade Tiradentes. "Quero chamar agora as universidades e dar a elas a chance de colocarem os nomes nos clubes. Poderemos ter Clube-Escola Mackenzie, Clube-Escola Uniban, Clube-Escola USP. Como contrapartida, as universidades poderiam usar as instalações nos fins de semana", afirmou o secretário.Para a quarta fase das reformas dos clubes, anunciada pelo governo na semana passada, estão previstos R$ 110 milhões em investimentos. "Queremos ter ao final de 2012 cerca de 400 mil pessoas usando essas instalações", concluiu Feldman, que considerou "normal" as falhas do programa encontradas em dois clubes da zona leste. A Secretaria de Esportes informou que os dois clubes com falhas não fazem parte do programa e foram enviados em uma lista à reportagem por equívoco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.