Tiago Queiroz / AE
Tiago Queiroz / AE

Feldmann defende plebiscito no Estado sobre o pré-sal

Candidato do PV afirma ainda que a única maneira de SP se manter competitivo é através da inovação

Jair Stangles , André Mascarenhas, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2010 | 00h00

O candidato do PV ao governo de São Paulo, Fábio Feldmann, defendeu em sabatina na TV Estadão a realização de um plebiscito no Estado para discutir a exploração do petróleo na camada do pré-sal. "Sou reticente com relação ao pré-sal. Um vazamento como o que ocorreu no Golfo do México, que eu chamo de "Chernobyl dos mares", compromete as praias, o turismo, a pesca", disse, ao ser questionado se seria favorável à ampliação do porto de São Sebastião com o objetivo de amparar as operações em águas profundas.

"Acho que é possível gerar renda a partir do turismo e acho isso incompatível com a proposta de ampliar o posto de São Sebastião, que vai elevar o tráfego para 26 mil caminhões por dia", argumentou.

Feldmann negou que suas posições sejam incompatíveis com o desenvolvimento econômico. Para ele, a única maneira de o Estado se manter competitivo no século 21 é através da inovação. "São Paulo terá de recuperar a capacidade de investir em inovação, tecnologia, moda, design. São Paulo tem de continuar sendo a locomotiva do País."

O candidato do PV também procurou demonstrar que, cada vez mais, a questão ambiental permeará todos os outros temas. "Quem diz que somos monotemáticos não está entendendo quais são os novos desafios."

Feldmann também defendeu a renovação da política paulista, mas admitiu que o PV ainda precisa amadurecer para ocupar seu lugar na sociedade. "Política com P maiúsculo você faz tendo a coragem de colocar temas novos e até de divergir", afirmou. "Estou tentando sair do debate raso e tentando colocar os novos temas. É difícil. A política se faz também colocando novos temas, novas agendas, ainda que demore na questão do amadurecimento do partido e da própria sociedade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.