Felipe Iasi é indiciado por participação no assassinato de Glauco

Polícia questiona fato de Iasi ter pulado muro da chácara de Glauco e ter aberto o portão para facilitar entrada de Carlos Eduardo

Priscila Trindade, do estadão.com.br

22 de março de 2010 | 16h30

 

SÃO PAULO - O estudante Felipe Iasi, que dirigiu o carro com Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, até a casa de Glauco na noite do assassinato do cartunista e de seu filho Raoni, foi indiciado por participação no crime na tarde desta segunda-feira, 22. Iasi havia sido chamado para depor novamente na Delegacia Seccional de Osasco, que investiga o caso. Ao chegar na delegacia, ele foi informado sobre o indiciamento.

 

Veja também:

linkEntre o céu e o inferno

linkPolícia vê contradições em depoimentos

linkAssassino admite que premeditou crime em depoimento

linkArma foi comprada com dinheiro de droga

linkAntes de fugir, assassino ligou para o 190

 

De acordo com o diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo (Demacro), Marcos Carneiro Lima, foram atribuídos ao estudante o artigo 29, devido ao comportamento dele no caso.

 

Em seu primeiro depoimento, Iasi afirmou que foi sequestrado por Cadu e obrigado a levá-lo à chácara onde o cartunista morava em Osasco, na Grande São Paulo, no último dia 12, mas a polícia questiona o fato de Iasi ter pulado o muro da chácara de Glauco e ter aberto o portão para facilitar a entrada de Nunes. Essa informação foi dada pela enteada do cartunista, Juliana Veniss, de 31 anos. A polícia quer saber por que ele não aproveitou a situação para fugir ou pedir por socorro.

 

A polícia ainda estranha o fato de após o crime Iasi ter estacionado o carro na rua de cima de sua casa ao invés de colocá-lo na garagem e de ele não ter acionado a polícia para contar o ocorrido. O veículo usado no dia dos assassinatos passará por nova perícia.

 

Para esclarecer o caso, a Justiça de Osasco autorizou na semana passada a quebra do sigilo telefônico de Nunes e de Iasi identificar as chamadas feitas e recebidas pelos dois.

 

ASSASSINATOS

 

Nunes matou o cartunista Glauco e seu filho Raoni. Cadu está preso na Delegacia da Polícia Federal em Foz do Iguaçu, no Paraná, desde o dia 14 deste mês. Ele foi detido quando tentava sair do Brasil e entrar no Paraguai com um carro roubado. Ao ser abordado por policiais rodoviários federais, o estudante iniciou um tiroteio. Um agente ficou ferido no braço, mas passa bem.

Tudo o que sabemos sobre:
GlaucoFelipe IasiCarlos Eduardo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.