Feridas de 2008 ainda estão abertas e só Serra tem a cura

A confusão no Diretório Municipal do PSDB de São Paulo revela que as feridas abertas na disputa eleitoral entre Geraldo Alckmin e Gilberto Kassab em 2008 ainda não cicatrizaram. O racha na formação da Executiva paulistana indica também que, a partir de agora, deverá aumentar o clamor por uma nova candidatura do ex-governador José Serra a prefeito, o único nome capaz de unificar o campo político contrário ao PT da presidente Dilma Rousseff no Estado.

Alberto Bombig, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2011 | 00h00

Em 2008, os vereadores paulistanos do PSDB apoiaram Kassab, "afilhado" de Serra, contra Alckmin nas urnas, e o grupo ligado ao atual governador, encabeçado pelos secretários Edson Aparecido (Gestão Metropolitana), Julio Semeghini (Gestão Pública) e José Aníbal (Energia), até hoje não engoliu o que chama de "traição". Agora devidamente instalado no Palácio dos Bandeirantes, os "alckmistas" tentam dar o troco nos vereadores e isolar Kassab.

Mas, de imediato, o racha exposto ontem tende a favorecer novamente o projeto de Kassab, que anunciou a criação de um novo partido, o PSD, e, reservadamente, ensaia lançar um candidato para sua sucessão sem o apoio dos tucanos. Se isso ocorrer, os vereadores que mantêm cargos na gestão Kassab tendem a romper de novo com o PSDB e continuar com o prefeito.

Somente Serra, relutante em aceitar uma nova candidatura a prefeito, pode garantir automaticamente o apoio de Kassab e de Alckmin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.