Feridos no incêndio em BH pegam pneumonite

Parte dos 341 feridos no incêndio ocorrido na madrugada do último sábado, na casa de shows Canecão Mineiro, na região oeste de Belo Horizonte, no qual seis pessoas morreram, voltou a procurar, nesta terça-feira, hospitais públicos e particulares da cidade. Segundo médicos do Pronto-Socorro do Hospital João XXIII, onde foram atendidas 41 vítimas do incêndio, pessoas que já haviam recebido alta - a maioria com queimaduras e escoriações - voltou ao hospital por sentir os efeitos de uma doença chamada pneumonite - inflamação nos pulmões provocada pela inalação de fumaça tóxica. Os pacientes, que se queixavam de tosse contínua e dificuldade para respirar, recebiam medicamentos e eram novamente liberados. De acordo com a diretora do João XXIII, Beth Kopit, a doença, se não tratada, pode evoluir para a pneumonia. Treze pessoas continuavam internadas na UTI de sete hospitais, nesta terça-feira, duas delas ainda em estado grave. O Ministério Público, que abriu inquérito para investigar o caso -além de funcionar de forma irregular, o Canecão Mineiro não oferecia condições mínimas de segurança - informou, também nesta terça, que deverá mover ações de indenização a pedido dos feridos e dos familiares dos mortos. Os prováveis alvos são o dono da casa de shows, o empresário Rubens Martins, a banda de pagode Armadilha do Samba - que montou uma cascata de fogos de artifício no interior do estabelecimento, o que teria provocado o incêndio - e até a Prefeitura de Belo Horizonte e o Corpo de Bombeiros de Minas, suspeitos de falhas na fiscalização. Além disso, os eventuais responsáveis poderão responder na Justiça a processos criminais por homicídio culposo e lesões corporais. Desde o início da semana, dezenas de pessoas feridas no incêndio fizeram exames de corpo delito no Instituto de Medicina Legal de Belo Horizonte, cujos laudos são necessários às ações judiciais. A Polícia Civil começou, também na terça-feira, a ouvir as testemunhas do acidente. O delegado Carlos Antônio dos Santos disse que colheu 10 depoimentos, e outros 30 deverão ser dados nesta quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.