Fernando e Esdras já haviam roubado carro de polícia

Os irmãos Esdras e Fernando Dutra Pinto, responsáveis pelo seqüestro de Patrícia Abravanel, haviam realizado um seqüestro relâmpago no dia 13 de abril. Dominaram um casal, na Praça Pan-Americana, no Alto de Pinheiros, zona oeste. Naquela noite, dois policiais suspeitaram de um carro parado na Rodovia Raposo Tavares. Foram checar e encontraram o casal amarrado no banco de trás. Esdras e Fernando surpreenderam os policiais. Tomaram-lhes os coletes à prova de balas, revólveres e pistolas. Os irmãos fugiram no carro da polícia, deixando os policiais e as vítimas do seqüestro presos no automóvel das vítimas. O veículo oficial foi encontrado pouco depois, em Cotia.A namorada do seqüestrador Esdras Dutra Pinto, Tatiana, disse que Luciana dos Santos Souza, a ?Jennifer?, vendeu durante muito tempo carnês do Baú da Felicidade. Esdras foi reconhecido por uma pessoa - cujo nome não foi divulgado pela polícia - como o assaltante de posto de gasolina na Rodovia Castelo Branco. No assalto, um segurança do posto foi baleado.Os irmãos Dutra Pinto também são acusados de dois roubos de jóias em Barueri. Em ambos os casos, a vítima foi uma vendedora autônoma. Ela foi assaltada uma vez na porta de sua casa, ocasião na qual os irmãos levaram R$ 150 mil, e uma na porta de uma escola, quando o prejuízo chegou a R$ 300 mil.A polícia de Barueri recebeu um documento de identidade de Fernando Dutra Pinto, entregue por guardas-civis. Ele foi encontrado numa estação da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) do município. Na fotografia, Fernando aparece com cavanhaque. A polícia de Barueri disse que o nome provável do quinto seqüestrador da estudante Patrícia Abravanel é Marcos Batista dos Santos. Ele seria irmão de Marcelo Batista dos Santos, o Pirata, cúmplice já preso dos irmãos Esdras e Fernando Dutra Pinto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.