Fernando Henrique critica Lula por ''desrespeito à lei''

Ex-presidente faz críticas ao governo por não reconhecer avanço de suas gestões: 'O Brasil cansou de arrogância'

Ana Paula Scinocca e Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2010 | 00h00

Ao proclamar união entre paulistas e mineiros, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que o Brasil precisa ser construído "na velocidade dos tucanos de São Paulo e Minas". Foi uma defesa indireta à chapa puro-sangue entre os ex-governadores José Serra e Aécio Neves.

Fernando Henrique propôs ao PSDB o embate direto com o governo Lula, dando combustível a um dos principais temas da eleição presidencial deste ano: a comparação entre as gestões petistas e tucanas.

Ele destacou em seu discurso o "desrespeito à lei" - o PSDB que quer colar em Lula e no PT a pecha de que não respeitam a Justiça, tendo como pano de fundo as condenações do presidente por fazer campanha antecipada.

"O Brasil cansou de certa arrogância, autoconfiança. O Brasil quer lei, quer respeito e, como diz Serra, quer ver o malandro que roubou na cadeia", disse.

"Muito do que se fez hoje, foi plantado no meu governo", declarou o ex-presidente , que criticou o fato de o atual governo não reconhecer, segundo ele, avanços das gestões anteriores. "Serra saberá reconhecer o que foi feito. Não cuspimos no prato que comemos." Fernando Henrique criticou então o governo atual falando que as obras e ações são iniciativas de "marqueteiros". Também questionou projetos específicos do governo Lula, como a transposição do Rio São Francisco. "Não a vi."

Contou quando conheceu Serra no Chile na década de 60. "Entrou na sala, com esse olhar esbugalhado que ele sempre teve", afirmou. Depois, completou: "Essa cara, que parece um pouco fechada, é só para inglês ver."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.