Festa da Força Sindical bate novo recorde de público

Pelo segundo ano consecutivo, a Força Sindical conseguiu levar público recorde à comemoração doDia Internacional do Trabalho na capital paulista. A Polícia Militar calcula que passaram hoje pela Praça Campo de Bagatelle, na zona norte, entre 1,5 milhão e 1,7 milhão de pessoas, amaioria atraída pelas apresentações de 40 artistas populares que se revezaram no palco do megashow entre 8 horas e 19h30.Em outras regiões mais periféricas da cidade, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), em dez eventos mais políticos que artísticos, levou pelo menos 150 mil pessoas às ruas. Também ocorreram manifestações em comemoração ao 1.º de Maio em vários Estados do País. A estratégia da Força Sindical, de realizar shows e sortear prêmios é a que tem dado maiores resultados em eventos desse tipo. No ano passado a central já tinha conseguido reunir cerca de 1,5 milhão de pessoas em sua festa.O presidente da Força, Paulo Pereira da Silva, oPaulinho, não se incomoda com as críticas da rival CUT e diz que continuará adotando essa estratégia. "As pessoas se divertem, têm lazer de graça, mas também há discursos políticos", afirma.Durante todo o evento, pelo menos uma hora foi dedicada aos discursos de sindicalistas. O único presidenciável a participar do ato foi Ciro Gomes (PPS), candidado apoiado por Paulinho.Em telões montados no palco e áreas laterais da praça, os quatro principais candidatos à Presidência puderam apresentar vídeos de três minutos cada com suas propostas, em meio à apatiado público que estava mais interessado em ver artistas como os cantores Leonardo, Alexandre Pires e Wanessa Camargo, a dupla sertaneja Pedro e Thiago e os grupos KLB, Titãs e Chiclete comBanana.O ministro do Trabalho, Paulo Jobim, escolheu participar da festa da Força "por causa da representatividade em número de pessoas". Ele diz esperar que até o fim do ano o Congressovote o projeto de flexibilização da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), retirado da pauta de regime de urgência urgentíssima. Segundo Jobim, a lei incentiva o conflito. "O Brasil tem 2,5 milhões de ações trabalhistas por ano, enquanto amédia em outros países é de 75 mil ações", afirma. "A flexibilização vai incentivar a negociação entre as partes e evitará ações na Justiça."Também estavam no ato o deputado federal Luiz Antonio de Medeiros (PL) e o secretário nacional do PTB, o deputado federal Luiz Antonio Fleury Filho, entre outros. No breve discurso quefez, Paulinho defendeu a criação de mais empregos, a redução da jornada de trabalho e a redução dos juros, além da remodelação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). "É preciso emprestar dinheiro para as micro e pequenas empresas não para as grandes", disse.Sorteios - A Força sorteou 11 carros, cinco apartamentos e vários eletrodomésticos. O pizzaiolo Alex de Almeida Rocha, que no dia 11 vai completar 17 anos, foi o ganhador de um dosimóveis, avaliado em R$ 35 mil. Ele não conseguiu ir até o palco porque desmaiou após ouvir o anúncio de seu nome.O primo José Jorge de Lima foi quem providenciou aentrega do cupom sorteado. Segundo ele, o adolescente mora com seis familiares em uma casa alugada de apenas um dormitório no bairro de Santana. O camelô Marelito Ribeiro de Araújo, de 41 anos, não tem carteira nunca dirigiu um carro. Ganhou um Celta, que pretende vender e dividir o dinheiro com três amigos que não foram ao evento. "Foi um acerto que fizemos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.