Festa de réveillon na Praia de Copacabana será mais modesta

Empresa responsável pelos fogos recebeu pouca verba, mas diz que show será grandioso

Pedro Dantas, RIO, O Estadao de S.Paulo

19 de dezembro de 2008 | 00h00

Mesmo com pouco dinheiro em caixa, a fuga de patrocinadores e mais desentendimentos com as autoridades estaduais, a prefeitura do Rio promete que o último réveillon da era Cesar Maia (que governou a cidade por 12 anos) não perderá em grandiosidade. A queima de fogos deve durar 20 minutos e a atração principal dos shows sobre o palco montado na Praia de Copacabana, onde 2 milhões de pessoas são esperadas, será a cantora Mart?nália. "Quero fazer um show para cima, com sambas-enredo e uma homenagem ao meu pai (o sambista Martinho da Vila), que fez 70 anos em 2008", afirmou a cantora. As atrações musicais foram escolhidas pela Rede Globo, que pagou o cachê dos músicos. Em Copacabana, antes de Mart?nália, sobe ao palco, às 22h, o grupo de pagode Revelação. Após a cantora, o encerramento da festa fica por conta das baterias das escolas de samba Beija-Flor, Grande Rio e Mangueira. Neste ano, o Piscinão de Ramos é a grande aposta da Riotur para espalhar a festa por outras praias. "O objetivo é que o povo aproveite a festa perto de suas moradias, vendo as grandes atrações deste ano", disse o secretário de Turismo, Rubem Medina, referindo-se à cantora pop Kelly Key, ao sambista Dicró e ao funkeiro MC Leozinho que subirão no palco em Ramos. Além de Ramos e Copacabana, a prefeitura promove eventos em mais seis bairros. As autoridades reconhecem que a festa está bem mais modesta se comparada aos outros shows como o do cantor britânico Rod Stewart em 1994 ou o Tributo a Tom Jobim em 2006, que reuniu Chico Buarque, Caetano Veloso, Paulinho da Viola, Gilberto Gil, Gal Costa e Milton Nascimento."Tínhamos mais patrocínios. Hoje, com os inúmeros processos do Ministério Público, temos dificuldade de obter patrocinadores, que temem associar a marca a um evento incerto", disse o subsecretário especial de Turismo, Paulo Bastos.Apesar de considerar baixo o valor de R$ 1,6 milhão oferecido pela prefeitura, a responsável pelos fogos este ano promete que o público não vai se decepcionar. "Enxuguei meu lucro, não economizei apenas no material por uma questão de segurança e respeito ao público. Faremos uma festa linda", disse a sócia-gerente da Fireworks do Brasil, responsável pelos fogos, Maria Cristina Tibério. Ela afirma que não teme a previsão de mau tempo até o dia 26. "Sempre planejo o espetáculo para um dia de dilúvio para tudo dar certo", garante.O tema do espetáculo pirotécnico este ano será "Os Quatro Elementos da Natureza". Os fogos do elemento ar, por exemplo, imitarão relâmpagos e trovões. Segundo Maria, a novidade será a bomba-filhote, cuja carga principal detona outras seis explosões em cores. Caso a fumaça ofusque os fogos, como em 2004, projeções em raio laser serão usadas para distrair a platéia.Ontem, foi anunciado o cancelamento da Rave de Réveillon que aconteceria na Praia de Ipanema. A Polícia Militar alegou que não tem efetivo suficiente para o evento que teria a duração de 12 horas. Pelo mesmo motivo, a liberação de outra festa semelhante na Praia do Flamengo permanecia indefinida. Medina acusou as autoridades da Segurança Pública de discriminar a música eletrônica.PROGRAMAÇÃOCopacabana20h: DJ Brinquinho (MPB)22h: Grupo Revelação0h: Queima de fogos (20 min)0h20: Mart?nália2h: Beija-Flor, Salgueiro e Grande Rio3 postos médicos, 12 UTIs e 300 banheiros químicosBarra da Tijuca21h: Jorge Israel e banda23h: The Reality Scientists0h: Paul Van Dyk2h: Eddie Halliwell2 postos médicos, 4 UTIs móveis e 100 banheiros químicosPiscinão de Ramos19h: MC Leozinho20h30: Kelly Key22h: Grupo Pixote23h: Bloco Boca de Siri0h20: Dicró2 UTIs móveis e 50 banheiros químicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.