Festa do Peão em Barretos dita moda country

Nem todos os chapéus, botas e cintos dos cowboys da Festa do Peão são adquiridos nos postos de gasolina da estrada que separa as cidades de São Paulo e Barretos. Há quem gaste cerca de R$ 2 mil, ou mais, para desfilar pelo parque de acordo com as tendências do moda country.A alta do dólar poderia encarecer ainda mais os gastos dos peões de temporada, já que toda a indumentária sofisticada vinha dos Estados Unidos. Mas, por sorte, o estilo rural norte-americano passou a ser "in" não só em Barretos, como em todas as vitrines do país. Tendo Madona como inspiração, as principais grifes nacionais montaram este ano coleções em que os chapéus, botas e cintos com fivela grande são destaques."Desta vez, não tive problema nenhum em encontrar roupas para vir à festa do Peão", comentou a estudante Carolina Hotz, de 22 anos. Nas blusas, calças e jaquetas das garotas que circulam pelo parque estão etiquetas de lojas como Les Filós, Les Lis Blanc, Doc Dog, Canal e Triton.Em um dos ranchos reservados, Carolina passeava ontem a noite exibindo seu cinto inspirado no da modelo Gisele Bündchen, bota de bico ultra fino, calça justa e jaqueta jeans. "Tudo muito da moda. Agora, posso até me vestir assim em São Paulo", diz a garota, que nasceu no interior e está morando na capital.As meninas que fazem o estilo country de grife dificilmente colocam chapéus. A estudante Doris Cabral, de 20 anos, está entre as poucas que chegam no parque totalmente a caráter. "Realmente tenho uma relação com este ambiente rural. Meu pai é fazendeiro e meu namorado é peão. Não sou igual essas patricinhas da região, que nem na arena põem os pés", disse.No entanto, Doris fica atenta ao que é "out" na festa. "Tem gente que não vem a caráter. Vem é fantasiada". Assumindo totalmente a inspiração norte americana, os barretenses mais ligados à moda da festa consideram "brega" o uso de berrantes, ponteiras nas camisas, botas fora da calça, calça de boca fina, penas no chapéu, jaquetas com franjas e gravatas de couro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.