Festa em Salvador termina com 11 pessoas baleadas

Entre os feridos, há adolescentes. Polícia diz que tiroteio foi motivado por briga entre facções rivais, que atuam na região

Heliana Frazão, especial para O Estado

15 Outubro 2017 | 19h51

SALVADOR - O bairro da Liberdade, um dos mais populosos de Salvador, está com policiamento reforçado desde a noite do sábado, 14, quando 11 pessoas foram feridas durante um tiroteio ocorrido em uma festa. Entre os feridos, estão adolescentes de 11, 13 e 17 anos. Segundo a polícia, o tiroteio foi motivado por uma briga entre facções rivais, que atuam na região. 

 

O cenário da troca de tiros foi a Rua da Mangueira, onde foi montado um palco com caixas de som de alta potência empilhadas no chão, e em porta malas de carros estacionados nas imediações. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, a festa já havia começado quando cerca de dez homens chegaram, por trás do palco, atirando. Durante o confronto, houve pânico e correria. 

 

Com a chegada da polícia, que foi acionada por moradores do bairro, os suspeitos de participação no tiroteio fugiram. Ninguém foi preso. Os policiais ajudaram no resgate das vítimas, que foram encaminhadas para hospitais da capital baiana. Não há informações sobre o estado de saúde delas, nem o registro de mortes.   

 

A Polícia Militar informou que deslocou para o local unidades especializadas para intensificar o policiamento ostensivo no bairro, evitando possíveis novos confrontos. Por meio de nota, a PM informou que: "O policiamento seguirá intensificado no bairro até que a rotina dos moradores seja plenamente restabelecida e que não haja ameaça à ordem pública na região."

Neste domingo, 15, o silêncio predominava entre os moradores da região. Temendo a ação de bandidos, os moradores preferiam não falar a respeito do ocorrido. A prefeitura de Salvador, por meio do secretário Municipal da Ordem Pública, Marcus Vinícius Passos, informou que a festa ocorria sem autorização municipal. 

Mais conteúdo sobre:
Salvador [BA] Polícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.