Festa na Av. Paulista foi tranqüila

Pelo número de pessoas que se estima terem participado da festa de virada do ano na Av. Paulista - 1,9 milhão -, a quantidade de ocorrências policiais decorrentes do evento pode ser considerada insignificante. O fato mais grave envolveu uma família de três pessoas, que sofreram queimaduras leves na explosão de um rojão que escapou à operação "pente-fino" da PM. Tudo não passou de cerca de 15 casos de furto, encontro de drogas e a apreensão e posterior liberação de um casal que portava uma nota falsa de R$ 50.Para a PM, isto só foi possível por causa da rigorosa revista realizada nas pessoas que se dirigiam à Paulista. E à quantidade de policiais que atuaram na operação: 1200 homens e mulheres. Em estações do Metrô, onde revistas eram realizadas, foram apreendidas 785 garrafas de bebidas alcoólicas. As queixas de furtos de carteiras, documentos e celulares, registradas no 78º DP Jardins, a delegacia da área, ficaram em torno de 15, enquanto a festa durou. E alguns papelotes de cocaína e "trouxinhas" de maconha foram encontrados na Estação Trianon do Metrô, provavelmente abandonados por seus portadores, pouco antes da revista.Pai, mãe e o filho de 8 anos sofreram pequenas queimaduras em conseqüência do estouro de um morteiro a 200 metros do palco. A pessoa que lançou aquele fogo de artifício não foi localizada. Muitos foram os atendimentos médicos, entre eles o de um homem que caiu de um muro de seis metros, mas não sofreu fraturas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.