Festa na pequena Brumal para receber obras sacras roubada de volta

Foi uma festa para os moradores do pequeno distrito de Brumal, em Santa Bárbara, a 105 quilômetros da capital mineira, na região central do Estado. Eles receberam hoje sete peças sacras, furtadas há pouco mais de dois meses da Igreja de Santo Amaro, construída no século 18. Houve até mesmo queima de fogos de artifício para recepcionar os objetos ? quatro palmas em madeira policromada, um calvário e dois anjos barrocos em madeira . ?Todo mundo estava orando, pedindo a Deus o retorno das peças. É a nossa história?, resumiu a dona de casa Maura Bitencourt da Silva, de 63 anos. Para comemorar o retorno, uma missa foi celebrada pelo arcebispo de Mariana, dom Luciano Mendes de Almeida. As obras, que haviam sido arrancadas do altar do histórico templo no dia 23 de julho, foram recuperadas menos de um mês depois por agentes da Polícia Federal (PF). Os policiais encontraram em quatro antiquários e uma residência de São Paulo um conjunto de 128 peças sacras. A PF indiciou sete pessoas, sendo que duas delas, José Thimóteo Rodrigues e Rosa Maria Granchi estão presos na sede da Superintendência da PF em Belo Horizonte. Segundo o delegado Tadeu Moura, chefe da Interpol em Minas, os dois serão transferidos no início da semana que vem para São Paulo. De acordo com ele, outras três pessoas que fariam parte da quadrilha continuam foragidas. Desde a sua recuperação, o acervo vem sendo analisado por técnicos do Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Belo Horizonte. Além das sete peças devolvidas à comunidade de Brumal, os técnicos, com base no inventário de bens móveis desaparecidos do instituto, já identificaram outras 26 obras originárias de igrejas de oito cidades de Minas (Nova Era, Mariana, Sabará, Ouro Branco, Campanha, Piranga, Alvorada de Minas e Paracatu) e do Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.