Fetape ocupa sede do Incra no Recife

Trabalhadores rurais ligados à Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape) ocuparam a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no Recife, nesta segunda-feira pela manhã, para pressionar pela liberação de R$ 13,7 milhões em créditos para 78 assentamentos coordenados pela entidade. O atraso dos recursos - destinados a parcelamento, alimentação, custeio, investimento e habitação - é de dois anos, em média, de acordo com a Fetape. Os trabalhadores - mil segundo a Fetape, 500 de acordo com o Incra - vieram de todas as regiões do Estado com lonas e comida, dispostos a permanecer no local até conseguir a garantia de atendimento às suas reivindicações. Eles também querem a realização de vistorias em 63 áreas - 29 delas ocupadas por cerca de 2 mil famílias, e outras 34 propriedades não invadidas."Paciência tem limite", afirmou o diretor de Política Agrária da Fetape, João Santos, ao explicar a ocupação. "Desde junho, quando assumiu o novo superintendente (Geraldo Eugênio) do Incra não fizemos qualquer tipo de pressão, mas até agora nada aconteceu". Santos condenou a estratégia do governo federal de fazer a reforma agrária por meio de cadastramento via correio. "É um engodo, uma farsa", disse, frisando que 8 mil famílias - vinculadas aos vários movimentos sociais pela terra - estão cadastradas no Incra à espera de um pedaço de chão para produzir e sobreviver. "Porque estas famílias não são assentadas?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.