Fiesp elabora projeto para a segurança

Preocupada com os crescentes números da violência, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) está prestes a concluir um programa de segurança, o ProSEG, que visa auxiliar as polícias Civil e Militar a gerenciar recursos e informações e a treinar pessoal. O projeto já consumiu 30 meses de preparação e R$ 200 mil de investimentos, gastos principalmente com consultores especialistas em segurança. O coordenador do ProSEG, Ricardo Lerner, adianta que outros R$ 200 mil ainda serão gastos até a conclusão das propostas. Nada muito alto comparados aos prejuízos de R$ 15 bilhões que a violência urbana causou nos últimos dois anos, com gastos em segurança particular, equipamentos de vigilância, custos com hospitais e roubos de cargas, segundo estimativa da Fiesp.A elaboração do projeto conta com contribuições de especialistas da casa, de consultorias externas e de policiais civis e militares, da ativa e da reserva. "O primeiro passo foi fazer o diagnóstico dos problemas, de como a polícia se vê. Descobrimos que o problema básico da polícia é de gestão, principalmente de recursos humanos, de classificação de informações e de inteligência", explicou Lerner. Segundo ele, o projeto é baseado em ações preventivas e formação adequada da polícia.O consultor Luiz Fernando Paiva, contratado pela entidade para auxiliar na elaboração do ProSEG, dividiu o programa em seis tópicos: Capacidade de planejamento estratégico e tático-operacional; Capacidade de interpretar e utilizar eficazmente informações; Complementaridade de atuação preventiva e investigativa; Utilização de referenciais de qualidade na atuação policial; Reforço da capacidade operativa das unidades de base; e Realização de um processo de educação corporativa."Cada um desses temas será discutido por um grupo de especialistas, que se aprofundarão nessas questões", disse Lerner. Segundo ele, a continuação do projeto depende agora da participação da Secretaria Estadual de Segurança Pública, das polícias Civil e Militar, dos empresários e da sociedade. "Estamos esperando uma reunião com o novo secretário (Saulo de Castro Abreu Filho) para colocá-lo a par do ProSEG. Não somos nós que determinados a velocidade do programa. O projeto sai quando a secretaria nomear os grupos", afirmou. O secretário deve se reunir com os empresários logo depois do carnaval, adiantou Lerner.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.