Filha confessa que sempre quis matar o pai

A polícia divulgou nesta segunda-feira uma fita dos depoimentos dos irmãos que planejaram a morte do pai, o aposentado Kazu Harada, em Caçapava, no interior paulista, e dos outros cinco acusados. "Eu sempre tive vontade de fazer isso (matar o pai), mas eu não sei nem pegar em uma arma. Planejei tudo para que ele não matasse minha mãe e meu irmão", disse Angela Yuri Harada, de 33 anos. No depoimento, ela e o irmão George Harada, de 22 anos, estudante universitário, contaram que o pai era muito violento e por este motivo planejaram o crime, pedindo a ajuda da filha da empregada da casa, Shirley da Silva. "Meu pai era tão agressivo que a vida inteira ele esfregava o prato de arroz no meu rosto quando eu derrubava um grão no chão" afirmou o universitário. Sem coragem para matar o pai, os irmãos recorreram à filha da empregada, Shirlei da Silva, para que ela contratasse algumas pessoas por R$ 6 mil. "A Ângela foi até meu serviço e me disse que era pra eu arrumar uns caras para matar o pai dela. Ela disse que tinha o sonho de matar o pai desde os doze anos", disse Shirlei. Apesar da confissão, os filhos de Kazu Harada disseram que estão arrependidos. "Eu não faria de novo por tudo o que vai acontecer agora", disse a filha. Segundo os depoimento, a mulher da vítima, Maria Kasumi Harada, sabia da intenção dos filhos, mas não do plano dos filhos. "A gente sempre falava que ia matar ele mas nunca falamos do nosso plano", afirmou Angela Harada.

Agencia Estado,

30 Junho 2003 | 20h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.