Filha de milionário morto foi ameaçada por tio, diz advogado

Uma nova denúncia poderá tumultuar a já confusa apuração do assassinato do milionário da Mega Sena, René Senna , de 54 anos, ocorrido no dia 7 de janeiro em Rio Bonito, no interior do Rio. Nesta sexta-feira, segundo o advogado da viúva Adriana Almeida, Alexandre Dumans, uma nova testemunha, identificado apenas como o advogado Augusto, foi ao delegado de Homicídios, Roberto Cardoso, para relatar uma ameaça feita por um irmão de Senna, Miguel, contra a sobrinha, filha do milionário, Renata Almeida Sena.Também nesta sexta-feira, a Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou cinco áudios de escutas feitas no telefone da viúva. Nos dois últimos áudios, Adriana fala com Augusto, a nova testemunha.Agora, com este depoimento, Dumans espera que a polícia invista em outra linha de investigação sobre o assassinato: o descontentamento de alguns irmãos de René alijados do testamento, desde que Adriana juntou-se ao ganhador da Mega Sena. Coincidentemente, a própria polícia divulgou um CD com trechos dos grampos telefônicos feitos com autorização judicial. Em um deles, a viúva, antes de ser presa, tenta convencer Augusto a contar à polícia o que sabia. Ele alegava que só poderia fazê-lo se ela o constituísse seu advogado.Viúva tem habeas-corpus negadoA viúva, investigada como possível mandante do crime por se sentir ameaçada de ser deserdada depois de ter tido algumas brigas com o marido, sofreu nesta sexta uma grande derrota: a desembargadora Maria Raimunda Teixeira de Azevedo, da 8ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, negou liminar no pedido de habeas-corpus a seu favor. Ela está presa desde terça-feira, pela mesma decisão da Justiça de Rio Bonito que mandou prender quatro ex-seguranças e a mulher de um deles.Segundo o advogado Dumans, Augusto, depois de procurado por Renata por causa das ameaças feitas pelo tio dela, Miguel, entrou com uma representação na 119ª Delegacia (em Rio Bonito). Ele ainda levou o fato ao conhecimento do próprio René, em encontro de 1h40 minutos , que foi gravado. Esta fita teria sido entregue à polícia nesta sexta.O atual advogado de Renata, Marcus Rangoni, disse ao Estado que desconhece qualquer ameaça que tenha sido feita à sua cliente pelo tio. Mas, mesmo que ela tenha ocorrido, para ele, "isto não terá a menor relevância. É um fato paralelo". Rangoni defende a tese de que Adriana é a principal suspeita de ser mandante do crime.Áudios das escutas telefônicasA Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou nesta sexta cinco áudios de escutas telefônicas realizadas no telefone da viúva de Senna, Adriana Almeida. No primeiro áudio, o advogado da viúva, Alexandre Dumans, marca encontro com Adriana. No segundo, Alexandre avisa que um carro (com Robson, seu suposto amante) vai buscá-la.No terceiro áudio, Adriana pergunta qual seria o motivo do encontro. Desesperada, ela chora. No quarto áudio, Adriana pede ajuda a uma homem chamado Augusto, também advogado. Augusto tenta atraí-la para conversa pessoal. Ela diz que é para o Augusto conversar com o advogado dela, o que ele tenta evitar.No último áudio, Augusto, a suposta nova testemunha, liga tentando convencê-la a deixar advogado Alexandre Dumans e constituí-lo advogado dela. Adriana diz para Augusto que não pode acontecer uma injustiça dessas (ela ser presa). Ele condiciona a ajuda à troca de advogado, dizendo que "todos vão cair em cima de mim" quando a revelação ocorrer.Matéria atualizada às 23h40 com acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.