Filha de PM é seqüestrada na Serra da Mantiqueira

A adolescente M.S.B, de 17 anos, filha de um policial militar de São Bento do Sapucaí, na Serra da Mantiqueira, foi seqüestrada na noite de domingo e passou cerca de 24 horas em poder dos bandidos. Ela chegava em casa sozinha, na zona rural de Brasópolis, sul de Minas Gerais, quando foi abordada por três homens encapuzados que ocupavam um carro escuro.A primeira pergunta que um dos bandidos fez à jovem foi se ela era filha do policial Célio Gonzaga Braga. Assustada, ela respondeu que sim e saiu correndo. Os homens seguiram a vítima e, usando de força e agressão, a colocaram no carro. A vitima também foi encapuzada e levada para uma casa abandonada, na zona rural de Gonçalves, município localizado também na região do sul de Minas Gerais. Trancada em um pequeno quarto, ela ficou sem água e sem comida. "Ela estava com hematomas nos braços e reclamou que ficou sem nenhum alimento e também sem água. Isso mostra a maldade dos bandidos", afirmou o delegado que investiga o caso, João Jacob.Na tarde de ontem a jovem reclamou de sede e convenceu um dos seqüestradores a ir buscar água para ela. Aproveitando a chance de estar sozinha, conseguiu sair do quarto, pular a janela e correr cerca de 300 metros até uma estrada rural, onde se escondeu e pegou carona em seguida até chegar em sua casa, na zona rural de Brasópolis.A Polícia Civil não tem dúvida de que o seqüestro foi planejado por desafetos do policial militar. O grupo não chegou a pedir resgate. "Não falaram em dinheiro em nenhum momento, nos poucos diálogos que tiveram com a vítima deixaram claro que ela estava ali para pagar o que o pai fazia". Segundo o delegado, o PM afirmou não ter inimigos. Ninguém foi preso ainda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.