Filha denuncia mãe por prostituição e 7 são indiciados

A Polícia Civil de Brasília indiciou ontem sete pessoas e interditou a boate BonaPub, uma das casas de prostituição mais frequentadas por políticos e empresários da capital. Entre os indiciados estão o dono da boate, Nemias Carneiro, e o gerente, Enéias Carneiro, seu irmão, além de Marlene Oliveira, acusada de induzir a própria filha a se prostituir desde que era menor de idade. Foi também indiciado o manobrista Francisco Wagner dos Santos, acusado de fazer intermediação entre clientes e prostitutas.Todos os acusados responderão por rufianismo, favorecimento à prostituição e exploração de prostíbulo, podendo pegar até cinco anos de prisão. Eles prestaram depoimento ontem e negaram envolvimento com o crime. O dono da boate disse que seu negócio é legal e não é responsável pelo que os frequentadores fazem fora do estabelecimento. A mãe da menina também negou que a tenha induzido a se prostituir.Mas a delegada Gláucia Ester disse que a casa funciona como um um foco de prostituição que explora jovens e adolescentes. A investigação foi originada há um ano por denúncia da própria filha de Marlene, menor na época. "Jovens como ela são usadas para atrair clientes e o manobrista fazia a apresentação e a intermediação do negócio", afirmou a delegada.A boate funciona no térreo do Hotel Bonaparte - que negou envolvimento com a atividade, que é terceirizada - e fica no Setor Hoteleiro Sul, dominada por prostitutas e travestis. A área passará por revitalização por conta da Copa de 2014.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.