Filhas de Vilma vão se submeter a teste de DNA

Depois de Roberta Jamilly e Pedrinho, as outras três filhas da empresária Vilma Martins, de 51 anos, decidiram se submeter a exame de DNA. Carla Beatriz Martins da Silva, de 32 anos, Patrícia Helaine Martins da Silva, de 30, e Christianne Michelle Martins da Silva, de 28, comunicaram a decisão ao jornal O Popular, de Goiânia, depois de uma reunião familiar na presença de Vilma.Carla Beatriz argumentou que o exame vai servir para a "imprensa deixar a família em paz". Ela informou que o exame será feito de acordo com a orientação do delegado Antonio Gonçalves, da Delegacia de Investigações criminais de Goiás (Deic), responsável pela investigação do seqüestro de Aparecida Fernanda Ribeiro da Silva, registrada como Roberta Jamilly Martins da Silva, de 23 anos.A decisão das filhas foi tomada depois que a polícia goiana tornou pública uma série de contradições entre o depoimento de Vilma Martins e o do pai de suas filhas, Carlos Soares da Silva, de 63 anos, que vive em Salvador (BA). No caso de Carla Beatriz, a mais velha, ela acreditava ter nascido na Santa Casa de Presidente Prudente (SP), conforme depoimento de seu pai, mas Vilma alegou à polícia que ela nasceu no Hospital Victor do Amaral, na mesma cidade. Carla só foi registrada aos 2 anos, em Curtiba (PR), no Cartório do Registro Civil da 3ª Zona, junto com a imrã Patrícia Helaine. Carla contou ao jornal goiano que em casa nenhuma das filhas fala com Vilma sobre os seqüestros de Roberta e Pedrinho, porque o assunto a deixa "muito nervosa".A mãe biológica de Roberta, Francisca Maria Riberio da Silva, não falou mais com a filha desde sábado, quando a garota telefonou. Francisca tem mantido contatos telefônicos com Maria Auxiliadora Braule Pinto, a mãe biológica de Pedrinho. Como Francisca, Maria Auxiliadora também é vítima de Vilma e as duas estão marcando um encontro para os próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.