WILTON JUNIOR/AE
WILTON JUNIOR/AE

Filho de Carlinhos de Jesus é enterrado no Rio de Janeiro

Dudu de Jesus, que tinha 32 anos, foi assassinado na madrugada deste sábado

Sergio Torres, de O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2011 | 11h33

O corpo do músico Carlos Eduardo Mendes de Jesus, filho do dançarino e coreógrafo Carlinhos de Jesus, foi enterrado na manhã deste domingo, 20, no Cemitério São João Batista. Cerca de 200 pessoas acompanharam o sepultamento do músico de 32 anos. Amigos e integrantes da banda que tocavam com Dudu, como era conhecido, levaram instrumentos musicais e tocaram sambas em homenagem ao músico. O rapaz foi morto a tiros na madrugada de sábado.

Muito emocionado, Carlinhos ficou ao lado da filha Tainah Vieira de Jesus e do neto Juan, de 8 anos, filho de Dudu. Ele se disse confiante no trabalho da polícia. "É um momento muito difícil. Ele só queria tocar, cantar e namorar. Estou confiante nos resultados. Estive com o governador, certamente será apurada essa barbaridade", afirmou.

Carlinhos descreveu o filho como uma pessoa alegre e extrovertida. E disse que não tinha conhecimento de que o rapaz estivesse sendo ameaçado. Durante o velório, o caixão de Dudu foi coberto com a bandeira da Mangueira, escola de samba para a qual torcia e em que integrou a comissão de frente.

O intérprete Neguinho da Beija-Flor, o ex-presidente da Mangueira Elmo dos Santos, o ator Antônio Pitanga e a bailarina Ana Botafogo estavam entre as pessoas que acompanharam o enterro. No sábado, o governador Sérgio Cabral (PMDB) esteve no velório. Ele lembrou que cresceu com Carlinhos de Jesus no bairro de Cavalcante, na zona norte, e afirmou que estava no local como amigo. "A parte policial está sendo cuidada agora", disse.

Dudu e sua banda tocavam às sextas-feiras na choperia Boteko Carioca, em Realengo, na zona oeste. Na madrugada de sábado, ele guardava equipamentos de som, quando foi surpreendido por dois homens numa motocicleta, que dispararam em direção ao músico. Oito tiros atingiram Dudu, que chegou a ser socorrido, mas morreu no Hospital Estadual Albert Schweitzer.
O crime está sendo investigado pela Divisão de Homicídios. O delegado adjunto Allan Duarte deve analisar hoje imagens do circuito de segurança. Ele não foi encontrado ontem para comentar as investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.