André Teixeira/AGÊNCIA GLOBO
André Teixeira/AGÊNCIA GLOBO

Juíza concede liberdade provisória a filho de Pitanguy mediante fiança de R$ 100 mil

O empresário, de 59 anos, é acusado de ter atropelado e matado o operário José Fernando Ferreira da Silva, de 44 anos, na quinta-feira, ao supostamente dirigir embriagado

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

25 Agosto 2015 | 22h17

Atualizada às 7h37 de 26/8

RIO - A juíza Renata Gil de Alcântara Videira, da 40.ª Vara Criminal do Rio, concedeu liberdade provisória a Ivo Nascimento de Campos Pitanguy, de 59 anos, filho do cirurgião plástico Ivo Pitanguy, mediante pagamento de fiança de R$ 100 mil. A Justiça aceitou a denúncia de homicídio culposo (sem intenção), feita pelo Ministério Público, contra o empresário. Até as 7h30 desta quarta-feira, Pitanguy continuava detido. 

Ele é acusado de ter atropelado e matado o operário José Fernando Ferreira da Silva, de 44 anos, na quinta-feira, ao supostamente dirigir embriagado.

O empresário havia sido indiciado pela delegada Monique Vidal, da 14ª DP (Leblon), por homicídio doloso (intencional). 

Em casos de acidente de trânsito, é habitual que o causador seja denunciado por crime culposo, mas a delegada considerou que, ao dirigir embriagado, como afirmam testemunhas do acidente e policiais que atenderam a ocorrência, Pitanguy assumiu o risco de matar alguém e portanto deveria ser denunciado por crime doloso.

O Ministério Público não aceitou a tese da delegada. Além da prisão, que pode variar de seis meses a três anos, Pitanguy está sujeito a multa e suspensão ou proibição de obter a permissão ou a habilitação para dirigir.

O empresário está preso no complexo penitenciário de Gericinó, na zona oeste do Rio, desde domingo, quando deixou o Hospital Municipal Miguel Couto, onde se recuperou de ferimentos causados pelo acidente.

O caso. O empresário, que acumulava 70 multas de trânsito nos últimos cinco anos (14 delas por dirigir embriagado) seguia pela Rua Marquês de São Vicente, na Gávea,  quando, às 23h30 de quinta-feira (20), perdeu o controle de seu veículo, que subiu na calçada e atingiu José Fernando.

O operário trabalhava nas obras de construção da Linha 4 do Metrô e havia acabado de sair do trabalho quando foi atropelado. Chegou a ser socorrido, mas morreu no Hospital Miguel Couto. O corpo do operário foi enterrado anteontem em Sertânia, município pernambucano de 35 mil habitantes onde mora sua família. José Fernando era casado e tinha dois filhos.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Ivo Pitanguy

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.