Filho de relator da CPI dos Bingos é sócio de bingueiro

Rodrigo Xisto Amadeu, filho do vereador Adilson Amadeu, é sócio de uma churrascaria junto com as filhas de dois dos maiores donos de bingos de SP

Agencia Estado

27 de junho de 2007 | 14h50

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a sonegação fiscal dos bingos na capital, o vereador Adilson Amadeu (PTB), tem um filho como sócio dos principais empresários do jogo na cidade. Rodrigo Xisto Amadeu tem participação em churrascarias no Morumbi (zona sul) e na Penha (zona leste), ao lado das filhas de dois dos maiores donos de bingos de São Paulo. As famílias Della Crocci e Galvez têm participação em, pelo menos, cinco bingos e nas churrascarias Baby Beef Morumbi e Penha. O deputado estadual Edson Ferrarini (PTB) também é um dos sócio da churrascaria no Morumbi. O empresário Jair da Ressurreição Paula, sócio do Bingo Imperatriz (o maior da cidade), aparecia como um dos proprietários da churrascaria até maio de 2004. Rodrigo é contratado como assessor parlamentar no gabinete do pai na Câmara.A sociedade com donos de bingos em uma churrascaria da capital foi revelada pelo próprio vereador, que usou a informação para questionar se funcionários da Prefeitura organizaram festas com apoio financeiro de empresários do jogo. Amadeu apresentou cartaz com o patrocínio do Baby Beef Morumbi, alegando que foram os donos de bingos que fizeram a doação para servidores públicos divulgarem uma festa promovida pela Subprefeitura da Vila Mariana, zona sul. As famílias Galvez e Della Crocci têm bingos na Vila Mariana.Convocado pela CPI, o subprefeito Fábio Lepique negou que tenha autorizado qualquer funcionário da Vila Mariana a procurar empresários de bingos para patrocínios de festas. Lepique afirmou que os 13 bingos dentro do perímetro de sua subprefeitura estão fechados. Durante o depoimento de Lepique, a bancada do PSDB a entrou em atrito com Amadeu pela forma hostil em que o relator formulava as perguntas para o subprefeito. O clima político de harmonia na comissão acabou se deteriorando ao ponto de a bancada tucana estar com o pedido de convocação do filho do vereador pronto para ser apresentado na sessão de amanhã da CPI. "Não temos relacionamento nenhum com os proprietários dos bingos. São milionários. Fui eu quem denunciei a empresa (Baby Beef Morumbi) na CPI. Me sinto confortável", afirmou Amadeu.Ele disse que o objetivo na sociedade nas churrascarias (Rodrigo também é sócio no Baby Beef Penha) é apenas para investimento. "Meu filho é sócio há nove anos. Ele vai nas reuniões para ver balanço. Numa delas, não gostou do que viu e colocou sua cota à venda." Amadeu disse que há disputa política dentro da CPI. "Não querem que a gente trabalhe. Muitas denúncias são meio indigestas para um partido, o PSDB. Vou continuar fazendo o trabalho que precisa ser feito, doa a quem doer."A Assessoria do deputado Ferrarini disse que não conseguiria contatá-lo nesta terça-feira. O advogado Jamil Chokr será acareado na CPI com o assessor da Subprefeitura da Vila Mariana, Wanderley Araújo, que assumiu ter pedido a Chokr patrocínio para confecção de cartaz de festa no Cambuci, em festa organizada pela Subprefeitura da Sé. Chokr, acusado de pagar suposta propina a policiais e delegacias na capital, disse que teve quatro contatos pessoais com Araújo, que iniciaram com questionamento sobre a Lei Cidade Limpa, na sede da subprefeitura da Vila Mariana. "Tivemos outros contatos, um foi em quiosque de café do Shopping Paulista, próximo de meu escritório, onde acertamos a confecção do cartaz da festa do Cambuci." Já Araújo havia contado que tivera apenas contatos telefônicos com o advogado, e que o havia conhecido numa plenária de prestação de contas da subprefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.