Filho é morto na frente da mãe na zona leste de São Paulo

O professor de informática Samoel Gonçalves Fiuza, de 31 anos, foi assassinado com três tiros na frente de sua casa, no Parque Guarani, na zona leste da capital paulista. O tiro que acertou sua cabeça, causando-lhe traumatismo craniano, atravessou antes o ombro de sua mãe, Valdete Silva Gonçalves, 62. Os tiros foram disparados por um rapaz aparentando ser menor de idade.A família da vítima suspeita que o crime possa ter sido encomendado pelo ex-marido de uma amiga de Samoel, moradora no Itaim Paulista. "Eles eram muito amigos e vinham saindo juntos, mas não tinham relacionamento amoroso. De uns tempos para cá, uma voz masculina sempre ligava para a casa dele à sua procura, mas nunca disse nada", disse o bancário Jair Antônio, de 36 anos, primo da vítima. O crime aconteceu por volta de 21 horas de quarta-feira, poucos minutos depois de Fiuza chegar em casa. Antônio disse que o assassino estava rondando a casa à espera da chegada de Samoel."Pouco depois que o Samoel entrou com o carro na garagem, ligaram para a casa perguntando por ele. Assim que ele atendeu, desligaram. Depois o chamaram no portão. Ao atender, foi morto."Ao perceber que o filho e o homem no portão brigavam, Valdete saiu e viu Fiuza caído e o assassino com uma arma apontada em sua direção. A mulher entrou na frente do disparo e foi alvejada no ombro. A bala atravessou o corpo da mãe e acertou a cabeça do filho. O assassino fez outros dois disparos, que acertaram a axila e o abdome da vítima. Em seguida, o agressor fugiu. Mãe e filho foram para o Hospital Municipal Planalto, onde o rapaz morreu e Valdete segue internada .

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.