Filho e nora de ex-médico da Seleção são baleados

Lídio Toledo Filho, de 35 anos, sofreu tentativa de assalto, levou 3 tiros e está em estado grave; sua mulher também foi ferida, mas não corre riscos

Roberta Pennafort, RIO, O Estadao de S.Paulo

02 de janeiro de 2008 | 00h00

Baleado num assalto quando seguia para uma festa de réveillon, o médico Lídio Toledo de Araújo Filho, de 35 anos, filho do ortopedista Lídio Toledo, que já trabalhou com a Seleção brasileira de futebol, está internado em estado grave no Hospital Samaritano, no Rio. Sua mulher, a professora Cilene Trajano, de 33 anos, também está hospitalizada, mas o quadro dela é menos delicado, segundo os médicos.O casal foi ferido no Alto da Boa Vista, na zona norte, ao reagir à ação dos assaltantes. Eles seriam menores, e de um morro da região. O ataque ocorreu por volta das 22 horas de segunda-feira. Araújo Filho, que é ortopedista como o pai, seguia de carro, com a mulher, da Tijuca, onde mora, em direção à Barra, para virar o ano na casa de um amigo. Ao começar a subir o Alto da Boa Vista - via que liga os dois bairros -, parou num posto de gasolina, para abastecer. No mesmo posto, estavam dois criminosos, em duas motocicletas, que também abasteciam. Quando o automóvel saiu do posto, os bandidos foram atrás. Araújo Filho foi abordado ao passar por um radar que estabelece o limite de velocidade em 40 km/h. O médico reduziu, mas não obedeceu à ordem dos ladrões, que dispararam. Ele ficou ferido no tórax, no braço e no pescoço. Teve o baço e o pulmão atingidos e a mandíbula foi dilacerada. Em choque, foi levado ao Hospital do Andaraí e operado durante a madrugada. Ao ser transferido para o Hospital Samaritano, à tarde, estava em coma induzido. Lídio Toledo acompanhou a transferência. Ao deixar a unidade, fez um desabafo ao falar da violência no Rio. "Os bandidos estão muito organizados e o Estado, desorganizado. O governo do Rio e o governo federal têm de se mobilizar. Estão acabando com a cidade. Faltam leis mais duras." Ele disse que tem um outro filho que se mudou para Florianópolis, com medo. "Ando muito de carro, mas nunca aconteceu nada comigo. Meu consultório é perto da Rocinha. Não sei se me respeitam." De acordo com Lídio Toledo, o filho está sem o movimento das pernas.Os médicos ainda avaliam se a paralisia será permanente, por conta dos reflexos dos ferimentos na coluna vertebral. Cilene foi atingida por dois tiros no tórax e está internada no Hospital da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência. Seu quadro é estável. Lídio Toledo foi avisado do assalto logo após chegar à casa de um amigo, em Copacabana, com a mulher, a fisioterapeuta Nilka Dionísio. "Não sabemos se ele tentou mesmo reagir. O que sei é que os bandidos chegaram e disseram ?pára, perdeu?. Ele abasteceu e logo vieram em cima", disse Nilka. Ela contou que o marido preferiu não participar das cirurgias pelas quais o filho passou, por não ter condições emocionais. Moradores do Alto da Boa Vista contaram ontem que são comuns assaltos no ponto onde o casal foi alvejado, por causa do radar que obriga os motoristas a reduzir a velocidade. Eles disseram que Araújo Filho derrubou uma das motocicletas que o cercaram, ao tentar se desvencilhar dos criminosos. A polícia não tem pistas do paradeiro dos bandidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.