Filho pode ter matado vereador de Curitiba

O filho do vereador Arildo Farias de Oliveira (PSL), de 56 anos, de Tijucas do Sul, na região metropolitana de Curitiba, Arilson José de Oliveira, 26, é suspeito de ter encomendado a morte do pai. O vereador foi ferido sábado à noite com seis tiros, em frente de sua casa, e acabou morrendo na madrugada de ontem no Hospital Cajuru, em Curitiba, onde estava internado.Um dos acusados de ter dado os tiros, Jesié de Carvalho, de 21 anos, foi preso. Segundo o delegado de São José dos Pinhais, José Roberto Jordão, Carvalho confessou ter participado do ato, mas disse que quem puxou o gatilho do revólver calibre 38 foi Reginaldo Borges de Pontes. O delegado já pediu a prisão preventiva de Pontes e do filho do vereador, que estão desaparecidos.Jordão afirmou que Arilson encomendou a morte do pai por "mágoa". Segundo o delegado, apesar de eles morarem juntos, o relacionamento era bastante difícil. Pelas informações colhidas pela polícia, dois homens chegaram à casa do vereador, que trabalhava com venda de animais, e pediram a sua filha que o chamasse pois queriam comprar cavalos. Quando ele atendeu à porta recebeu os tiros. Arildo já tinha sido vereador em Tijucas do Sul entre 1982 e 1988. Depois concorreu à prefeitura por duas vezes sendo derrotado em ambas. Em 2000, ele retornou à Câmara de Vereadores.

Agencia Estado,

30 de abril de 2002 | 16h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.