Fim da rebelião da Febem de Lins. Bispo refém é solto

Policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar e funcionários da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem) estão realizando uma revista nos módulos da Unidade de Internação Rio Pardo, em Lins, na região de Araçatuba, no Interior, onde ontem houve uma rebelião, durante a qual onze dos quinze monitores e até um bispo foram mantidos reféns. A rebelião começou por volta das 10h30 e terminou às 17h30 quando logo depois houve uma primeira revista da PM e foram encontradas várias naifas (facas artesanais). Um funcionário e um interno ficaram levemente feridos durante o motim. Segundo informações da assessoria de imprensa da Febem, os adolescentes reivindicaram melhores roupas - como as que os jovens usam nas ruas - e visitas íntimas - que são proibidas na Febem -, mas a direção suspeita de que na verdade os internos queriam chegar até os cinco adolescentes que estão no ´seguro´, um alojamento separado onde geralmente ficam aqueles que são ameaçados de morte pelos colegas. Durante a rebelião os menores destruíram móveis, portas, um computador e outros materiais. O motim começou no Módulo 3, mas, por meio de uma corda confeccionada com panos, os internos desceram até o pátio e acessaram outros módulos fazendo com que o movimento se alastrasse pela unidade. O bispo que foi mantido refém- cujo nome ainda não foi divulgado pela assessoria -, não sofreu maus tratos. Após negociação, os adolescentes encerraram a rebelião e a polícia entrou para realizar a revista. Hoje pela manhã o mesmo grupo ficou ´agitado´ e a direção da unidade chamou novamente a polícia, mas não houve maiores problemas. A unidade de Lins tem capacidade para abrigar 120 internos, mas tem hoje 97.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.