Fim das férias marca retorno do rodízio de carros em SP

A partir desta segunda-feira, 29, o rodízio municipal de veículos volta a vigorar na capital paulista, juntamente com o início do período escolar de 2007. Por causa disso, a tranqüilidade verificada no trânsito entre a última semana de dezembro e as duas primeiras semanas deste início de ano deve mudar. Num contraste aos baixos índices de lentidão registrados nesse período, de 20 km a 30 km, o motorista deve estar preparado para enfrentar índices entre 80 km a 100 km. "Se não voltássemos com o rodízio no dia 29, os índices poderiam passar de 100 km", avalia o gerente da Central de Operações da CET, Gilson Grilli.De acordo com o rodízio municipal de veículos, que completa dez anos de implantação em setembro deste ano, automóveis e caminhões não podem circular no anel viário da Capital, em dois horários - das 7 às 10 horas e das 17 às 20 horas. As placas com final 1 e 2 sofrem essa restrição às segundas-feiras, as de final 3 e 4 às terças-feiras, as de final 5 e 6 às quartas-feiras, as de final 7 e 8 às quintas-feiras e as de final 9 e 0 às sextas-feiras. Nos finais de semana o rodízio é suspenso.Anel viárioA CET explica que o anel viário compreende as áreas das Marginais Tietê e Pinheiros, a Avenida dos Bandeirantes, a Avenida Afonso D´Esccragnole Taunay, o Complexo Viário Maria Maluf, a Avenida Tancredo Neves, a Avenida Juntas Provisórias, o Viaduto Grande São Paulo, a Avenida Professor Luís Inácio de Anhaia Melo e a Avenida Salim Farah Maluf. A multa aos motoristas infratores do rodízio é de R$ 85,13, além de quatro pontos na carteira.Uma das principais justificativas do rodízio é a grande quantidade de veículos que trafegam diariamente pela metrópole: cerca de 3,5 milhões. Nas férias escolares, a estimativa da CET é de que 13% deste volume deixam de circular. Com o rodízio, segundo estudos da CET, são retirados de circulação, no período do rush (de tráfego intenso), 700 mil veículos ou 20% do volume da frota.Redução de congestionamentoO gerente da Central de Operações da CET destaca, contudo, que essa redução de 20% do volume da frota nos períodos de rodízio interfere em apenas 8% nos índices de congestionamento. "Isso porque o volume não é concentrado nas vias de maior lentidão, mas espalhado por toda a cidade", reitera. Em julho, apesar de também ser um mês de férias escolares, o rodízio não é suspenso. Grilli explica que isso ocorre em função do baixo índice de férias profissionais, ou seja, dos pais.A frota atual de veículos na capital é de 5,8 milhões. E este número cresce a cada dia. "Cerca de 500 veículos novos são registrados diariamente no Detran, o que dá 15 mil novos veículos ao mês", cita Grilli. Mesmo assim, ressalta ele, seria um exagero prever, no curto prazo, um colapso no tráfego paulista, em razão do alto volume de veículos. "O trânsito não se comporta isoladamente, mas depende de fatores. Se acontece um acidente na Marginal, por exemplo, temos algumas complicações. Daí, a necessidade das operações especiais da CET, como o aviso de desvios e caminhos alternativos."Apenas as Marginais Tietê e Pinheiros respondem por 50% dos índices de lentidão na Capital. Na Marginal Pinheiros, por exemplo, trafegam 450 mil veículos diariamente. "Se a Marginal vai bem, o trânsito em geral vai bem. Agora, se ocorre um incidente, como tivemos recentemente com o desabamento das obras da linha 4 do Metrô (futura Estação Pinheiros), aumenta a necessidade dos alertas e da busca de caminhos alternativos, pois não há vias que comportem sozinha esse volume", diz Grilli.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.