Fim de semana vai ser de explicações sobre fuga na casa de Ana Lívia

No primeiro fim de semana após ter fugido de casa, Ana Lívia Destefani Luciano, de 16 anos, terá "uma reuniãozinha" com a família "para explicar direito o que aconteceu", segundo o irmão da menina, o produtor musical Gabriel Dib, de 27 anos. Ana Lívia e a amiga Giovanna Maresti Sant?Anna Silva, de 15 anos, fugiram no dia 5 e foram encontradas somente anteontem, em Curitibanos (SC). "Nem preciso dizer que é necessário uma conversinha agora, né?", disse. "Mas tudo numa boa, sem medidas drásticas."Segundo Dib, ontem Ana Lívia passou boa parte do primeiro dia de volta a São Paulo dormindo. "Só disse para ela que, se quisesse sair, que deixasse a chave com o porteiro. Acho que dá para confiar", brincou. O produtor musical diz também que a menina está "incomodada" com a exposição que a fuga trouxe para ela. "Não é da personalidade dela aparecer tanto, mas, agora que isso aconteceu, ela vai ter de agüentar."E foi exatamente para tentar fugir do assédio da mídia, no desembarque no Aeroporto de Congonhas, que Ana Lívia utilizou um artifício diferente - em vez de cobrir a cabeça, como faz a maioria dos famosos que quer se esconder, a menina a descobriu. "Como ela apareceu com um xale cobrindo a cabeça em todas as entrevistas que deu lá no Sul, a melhor maneira de despistar foi deixando a cabeça à mostra", contou o pai de Ana Lívia, o professor de matemática da USP Odilon dos Santos. Ele, o filho Gabriel e Ana Lívia deixaram Florianópolis por volta das 5 horas de ontem, depois de terem dormido apenas uma hora e meia - acompanhavam a gravação de um programa de TV com a menina. Segundo o irmão de Ana Lívia,ela quer deixar apenas uma lição: "Ela disse mais de uma vez que não quer estimular ninguém a fazer nada. Elas fizeram o que fizeram porque precisavam ?escapar? um pouco da correria de São Paulo, mas não recomendam que ninguém faça igual."De acordo com familiares da outra adolescente, Giovanna, ela continua em Florianópolis (SC), com a mãe, a atriz Kelly di Bertolli, e a produção do Fantástico, da TV Globo, gravando a edição do próximo domingo. Ao todo, as meninas ficaram desaparecidas por seis dias. A viagem começou no Terminal da Barra Funda, onde pegaram um ônibus até Santa Isabel (SP). Lá, conseguiram carona em um caminhão até Gravataí (RS) e em outro até Porto Alegre. Quando iam em direção a Uruguaiana, na fronteira com a Argentina, mudaram o rumo e seguiram para Curitibanos, onde foram encontradas pelo dono de um hotel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.