Financiador da obra, Bird acompanha acidente no Metrô

O diretor do Banco Mundial (Bird) para o Brasil, John Briscoe, informou que, nos próximos dois dias, consultará suas áreas jurídica e técnica e a direção geral da instituição, em Washington, para adotar um posicionamento a respeito do desabamento das obras da Estação Pinheiros da Linha Amarela do Metrô da capital paulista. Briscoe antecipou que a posição do banco será construtiva. "Mantemos com o governo paulista um excelente relacionamento e a obra é importantíssima para a cidade."O projeto da Linha Amarela é um co-financiamento entre o Banco Mundial e o Banco Japonês para a Cooperação Internacional (JBIC). Cada um liberou para o governo paulista US$ 209 milhões. Briscoe ressalvou que o banco dispõe de equipe técnica que acompanha a evolução da obra desde a licitação. Segundo ele, funcionários do banco visitaram o local do desabamento recentemente.O diretor disse que o banco só divulgará uma posição sobre o caso quando obtiver todas as informações necessárias e tiver concluído as consultas à direção geral. Afirmou apenas que "o projeto é tecnicamente adequado e as empresas que a executam têm qualificação".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.