Fiscais da SPTrans protestam contra morte de colegas

Cerca de 200 fiscais da São Paulo Transportes (SPTrans), empresa responsável pelo gerenciamento de transporte coletivo feito por ônibus e peruas na cidade de São Paulo, estão reunidos, desde às 4 horas desta manhã, em frente ao Complexo Santa Rita, sede de vistoria de peruas da SPTrans, no bairro do Catumbi, região central da capital paulista.A categoria, representada por Luís de Oliveira Campos, presidente do Sindicato dos Empregados em Fiscalização, reivindica uma atitude da Secretaria Municipal dos Transportes para que os fiscais tenham mais segurança para trabalhar. "Queremos chamar a atenção das autoridades e conseguir o apoio de policiais militares durante o transporte de peruas apreendidas até o pátio da SPTrans", disse Campos.Na tarde do último sábado, três fiscais da SPTrans foram baleados após serem seqüestrados por perueiros clandestinos. Eles foram dominados quando chegavam no pátio da empresa, no Pari, zona central de São Paulo, com uma van Ducato bege, de placa CPR-0545, apreendida uma hora antes no Jardim São Luís, zona sul. Os fiscais - Eduardo Baldrine, José Tenório e José Donizete de Lima - foram espancados, baleados e seus corpos jogados da Rua dos Aliados, no Alto da Lapa, zona oeste da capital. José Donizete ainda foi levado com vida ao hospital mas não resistiu e, na noite de ontem, faleceu. Os outros dois funcionários foram enterrados no domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.