Fiscal da ANP recebia R$ 5 mil para ajudar em sonegação

O fiscal da Agência Nacional do Petróleo (ANP) Carlos Alberto Hasselmann recebia R$ 5 mil mensais de uma organização criminosa para evitar fiscalização na Chebabe Distribuidora de Petróleo. Hasselmann foi preso ontem, com mais 14 pessoas acusadas de sonegar impostos na venda de combustíveis. Oito delas prestaram depoimento hoje à Polícia Federal no Rio.Segundo um dos envolvidos, cujo nome não foi divulgado pela polícia, Hasselmann era pago para avisar seus comparsas de possíveis fiscalizações da ANP na região Norte-Fluminense, área de atuação da quadrilha. O grupo de Antônio Carlos Chebabe é acusado de fraudar operações interestaduais de venda de combustíveis, com o objetivo de pagar menos imposto e foi desmantelado ontem em uma operação conjunta da Polícia Federal em cinco estados.Um dos oito réus que prestaram depoimento decidiu colaborar com as investigações e confirmou todo o esquema de Chebabe. Ele deve ser levado de avião, sob escolta, para Campos, município do norte fluminense, onde prestará novo depoimento, dessa vez em juízo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.