Divulgação/Prefeitura Rio de Janeiro
Divulgação/Prefeitura Rio de Janeiro

Fiscalização interrompe evento em Botafogo um dia após festa polêmica no Copacabana Palace, no Rio

No momento da chegada da equipe, cerca de 70 pessoas estavam no local, mas a previsão era que contasse com aproximadamente 200 clientes na boate

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2021 | 13h08

RIO - Depois da polêmica festa na noite de sexta-feira, 15, no Copacabana Palace, que resultou em multa e suspensão de eventos no tradicional hotel por dez dias, a prefeitura do Rio informou que interrompeu na madrugada deste domingo, 16, uma festa irregular em uma boate no bairro de Botafogo, zona sul da cidade.

Segundo a prefeitura carioca, no momento da chegada da equipe de fiscalização, cerca de 70 pessoas estavam no local, mas a previsão era que contasse com aproximadamente 200 clientes. 

O público foi dispersado pelos agentes, o material (bebidas) apreendido e o responsável pelo evento foi multado por violação de medida sanitária. A festa foi mapeada através do setor de inteligência da Secretaria de Ordem Pública.

Ontem, em um primeiro momento, a festa do Copacabana Palace foi considerada regular pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), porém, menos de 24 horas depois da festa, que teve shows de Ludmilla, Gusttavo Lima, Mumuzinho, entre outros, o hotel foi multado em R$ 15 mil e eventos suspensos por dez dias. A mudança se deu depois que a Vigilância Sanitária analisou imagens do evento, divulgadas nas redes sociais.

Em nove dias de fiscalizações do decreto 48.845, vigente até dia 20 de maio, a Seop registou 11.416 autuações - entre multas e interdições a estabelecimentos, infrações sanitárias, multas de trânsito, reboques e apreensões de mercadorias - com 357 multas aplicadas a bares, restaurantes e ambulantes e 21 estabelecimentos interditados por desrespeitarem as medidas previstas em decreto municipal.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.