Fita gravada por João Gilberto em 58 vira hit na web

Restauradas, gravações caseiras de antes de ?Chega de Saudade? têm agitado blogueiros nos últimos dias

Lauro Lisboa Garcia, O Estadao de S.Paulo

07 Fevereiro 2009 | 00h00

Durante toda a semana, blogueiros de música, colecionadores de discos e caçadores de raridades se agitaram em torno de uma preciosidade: a lendária e cobiçada fita cassete que João Gilberto gravou em 1958, antes de lançar a pedra fundamental da bossa nova, Chega de Saudade, caiu na web. Disponibilizados de graça por meio do blog Toque Musical (http://toque-musical.blogspot.com) e espalhados por outros, até com arte para quem quiser montar um CD com capa e contracapa, os registros realizados no apartamento do fotógrafo Chico Pereira viraram hit entre aficionados. São 38 faixas, entre conversas do cantor com os privilegiados que o receberam em casa, clássicos que ele incluiria nos primeiros e imprescindíveis LPs e outras canções que jamais gravou. Entre elas estão Mágoa (Tom Jobim/Marino Pinto), Nos Braços de Isabel (Silvio Caldas/José Júdice), Chão de Estrelas (Silvio Caldas/Orestes Barbosa), O Bem do Amor (Carlos Lyra) e Beija-me (Roberto Martins/Mário Rossi).   Especial da bossa novaAlém da voz e do violão de João, outros ruídos da casa aparecem vez ou outra nas gravações, como um latido, uma porta que fecha, o rodízio de uma cortina que passa pelo trilho, uma tosse aqui, um risinho de aprovação ali. Mas isso é o de menos e de maneira nenhuma compromete o interesse e a importância do registro. Considerando o tempo de existência e as condições precárias da gravação, algumas faixas estão com a qualidade de áudio bem boas, como Desafinado (Tom Jobim/Newton Mendonça) e Preconceito (Wilson Batista/Marino Pinto), graças ao trabalho minucioso de Christophe Rousseau, músico e engenheiro de som. Rousseau não respondeu ao e-mail enviado pelo Estado até a noite de sexta-feira para falar de seu trabalho sobre essas fitas. No entanto, numa entrevista postada no site vitrola.blogspot.com, o engenheiro confirma ter recebido "esse documento" de um amigo sueco que, por sua vez, o obteve de "um colecionador cujo nome ficou protegido por ele". Rousseau também diz que "os japoneses foram os primeiros a colocar à venda lá nas terras deles esse documento, que se chamava João Gilberto - Private Sessions at Chico Pereira?s House, que era caro e de péssimo som".Na mesma entrevista, Rousseau confessa que quase desmaiou de felicidade quando esse material - que demorou "50 anos para aparecer e três dias para se tornar decente" - caiu em suas mãos. "Foi com duas ferramentas profissionais de tratamento sonoro que consegui fazer renascer o som de baixo do barulho analógico das bandas Basf: primeiro o excelente BBE americano hardware Sonic Maximizer and Noise Reduction e o programa da Sony chamado Sonic Mastering Studio", esclareceu o engenheiro uruguaio. No programa Metrópolis (TV Cultura) de sexta-feira, Rousseau disse em gravação via webcam que faz questão de entregar essa fita a João Gilberto, com a certeza de que ele adoraria.Segundo o blogueiro do Toque Musical, que prefere ser identificado apenas como Augusto, um tempo atrás Rousseau o procurou propondo a disponibilização do material restaurado em seu blog. "Sei que vai ser uma bomba, porque todo mundo vai querer", teria dito Rousseau. "Quando coloquei no ar sabia que ia dar impacto, mas não esperava tanto. Minha intenção é de que as pessoas saibam da existência disso", diz Augusto, que se confessou receoso da ação, por conta de implicações legais, embora seu blog não tenha fins lucrativos.Os internautas se depararam com uma certa dificuldade para baixar o material, pois os links são retirados e renovados a cada 12 horas por Augusto. "Retirei para evitar qualquer problema, porque vi que as pessoas estavam retirando em outros lugares também. Se por acaso alguém - o empresário do João Gilberto ou ele mesmo - pedir, eu retiro imediatamente. Não tenho a menor intenção de prejudicar a carreira dele ou qualquer coisa nesse sentido."Augusto acredita que a imprensa também "botou fogo" na história para aumentar a repercussão. "Mas tudo bem, faz sentido, porque isso é uma gravação que ninguém conhecia. E quem tem interesse mesmo são as pessoas ligadas à bossa nova, fãs de João e gente que entende de música", diz.Procurado pela reportagem do Estado, o empresário de João Gilberto, Octávio Terceiro, afirmou que tanto ele como o cantor desconheciam o fato de a fita ter caído na rede e pediu que o link lhe fosse enviado por e-mail para que pudesse ouvir. Não houve tempo. No início da noite de sexta-feira, o Toque Musical estava fora do ar, restando apenas uma mensagem aos usuários: "Você em breve irá receber um e-mail, aguarde..."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.