Flagelados do PI vão ganhar mobília do governo

O governo do Piauí vai restituir os eletrodomésticos e as mobílias das famílias cujas casas foram destruídas pela enxurrada da Barragem Algodões 1, em Cocal da Estação. De acordo com o governador Wellington Dias (PT), será liberada uma verba do Ministério da Integração Nacional. Serão R$ 2,2 milhões para compra de geladeiras, fogões e móveis. Dias informou que as famílias receberão glebas de terra e casas novas. As famílias dos municípios de Cocal e Buriti dos Lopes serão beneficiadas. Segundo Dias, serão liberados R$ 35 milhões para obras de reconstrução e recuperação dos estragos. Pelos dados da Defesa Civil Estadual, pelo menos 550 casas populares serão construídas na região. Com o rompimento da barragem, cerca de 2 mil famílias de Cocal e mil famílias de Buriti dos Lopes foram desabrigadas e mais de 900 estão alojadas em abrigos. A Secretaria do Meio Ambiente estima em 30 mil animais mortos. Para distribuir o benefício, o Estado vai usar o mesmo cadastro feito pela Defesa Civil para prestar assistência emergencial. "O povo desse Estado terá nossa total solidariedade e total respaldo do Ministério da Integração, pois é uma determinação do presidente Lula. O dinheiro será liberado imediatamente. Estamos somente aguardando o tempo de cumprir alguns processos burocráticos", informou o ministro Geddel Vieira Lima. Dias assinou termo de compromisso que garante a liberação e a aplicação imediata dos recursos. O dinheiro estará disponível a partir da próxima semana, conforme informou a secretária Nacional de Defesa Civil, Ivone Valete. O secretário estadual de Defesa Civil, Fernando Monteiro, disse que serão destinados R$ 2,8 milhões para a compra de patrulhas mecanizadas que serão repassadas aos municípios para a reconstrução de estradas, passagens, pequenas pontes e outras estruturas públicas. A verba do ministério deve financiar a construção de um dique no município de Parnaíba.VERBASO Plenário da Câmara aprovou ontem a Medida Provisória que libera R$ 300 milhões para o Ministério da Integração Nacional aplicar em ações de defesa civil nos municípios em situação de calamidade pública provocada por cheias e secas entre outubro do ano passado e março deste ano. A matéria deve ser votada ainda pelo Senado.De acordo com o Executivo, R$ 220 milhões serão usados para socorro e assistência às vítimas e R$ 80 milhões para recuperação de danos nas regiões mais atingidas. Os recursos vão ajudar Estados de todo o País. Outros R$ 880 milhões são liberados pela MP para socorrer Estados do Nordeste atingidos por cheias mais recentemente, como Maranhão e Bahia.BAHIARajadas de vento de até 80 km/h, seguidas por forte chuva, causaram estragos em Eunápolis, 644 km ao sul de Salvador, entre a noite de segunda-feira e a manhã de ontem. De acordo com informações da prefeitura, pelo menos 200 famílias tiveram casas danificadas, a maioria na região central, onde os alagamentos chegaram a 1 metro de altura. Elas são atendidas em escolas municipais.Três imóveis ficaram parcialmente destruídos, outros 30 correm riscos de desabamento e mais de cem foram destelhados. Ao notar que as telhas de sua casa estavam sendo arrancadas, uma mulher de 68 anos passou mal e morreu antes de ser atendida. Outras 12 pessoas foram atendidas nos hospitais da região com ferimentos leves. A previsão é de que a chuva continue na região até sexta-feira, em menor intensidade. A prefeitura não descarta decretar situação de emergência, caso volte a chover forte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.