Flanelinhas em BH são condenados por ameaça e tentativa de extorsão

Casal se recusou a pagar os R$ 20 solicitados e grupo ameaçou as vítimas, dizendo que teriam problemas se não deixassem o dinheiro

Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

05 Agosto 2014 | 20h44

BELO HORIZONTE - Quatro homens que atuavam como flanelinhas foram condenados por grave ameaça e tentativa de extorsão por terem exigido R$ 20 de um casal de Belo Horizonte para que "nenhum problema" ocorresse com o veículo deles. Três réus foram condenados a penas de cinco anos e quatro meses de prisão em regime semiaberto e o outro acusado, que é reincidente, foi sentenciado a seis anos e nove meses em regime fechado.

O caso ocorreu em setembro do ano passado, quando a proprietária do veículo e seu namorado estacionaram em uma das principais avenidas do centro da capital mineira. Segundo a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), um dos acusados pediu R$ 20 para cuidar do carro. Como o casal se recusou a pagar, o suspeito chamou os três companheiros que, com "abordagem intimidatória", passaram a ameaçar as vítimas, dizendo que "teriam problemas" se não deixassem o dinheiro.

De acordo com o MPE, o grupo também cometeu contravenção penal, pois os acusados não são cadastrados na Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), o que é exigido em Belo Horizonte para que seja exercida a atividade de guardador. Já a defesa afirmou que os réus haviam apenas "sugerido" ao casal uma quantia e alegou que os acusados também não atuam sempre como flanelinhas. Além disso, pediu a absolvição com o argumento de que não havia prova da ameaça.

Mas o juiz da 8ª Vara Criminal do Fórum Lafayette, Luís Augusto Fonseca, entendeu que os crimes foram comprovados e, no último dia 31, condenou os réus. Além da pena imposta em sentença publicada na segunda-feira, 4, ele negou a libertação dos acusados, que estão presos preventivamente. O Estado tentou falar com os advogados dos réus, mas eles não foram encontrados no início da noite desta terça-feira, 5. Eles ainda podem recorrer da decisão.

Mais conteúdo sobre:
Belo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.