Fogo pode ter começado em condicionador de ar

O presidente da Eletros, Fundação Eletrobrás de Seguridade Social, Luiz Limaverde, disse agora que embora a causa do incêndio ainda não tenha sido detectada, há a possibilidade de ter havido um curto-circuito. Perguntado sobre a probabilidade de o fogo ter iniciado pelo fato de um ar-condicionado ter ficado ligado durante todo o período de Carnaval, ele explicou que, em alguns andares do prédio, este tipo de equipamento precisa ficar ligado permanentemente por causa dos computadores. Segundo ele, o incêndio começou no 15º, onde funcionava o setor de recursos humanos, para o 16º andar, ocupado pela SulAmerica Capitalização. Limaverde explicou que um dos setores mais afetados foi o de informática, jurídico, e projetos especiais. Ele não soube calcular o prejuízo causado pelo fogo. Mas disse acreditar que estes sejam apenas de ordem material. "Muitos documentos que estavam nos andares afetados são ´back-upeados´ (protegidos com cópia)", informou. Limaverde afirmou que não havia uma Brigada de Incêndio de plantão no prédio no momento em que o fogo começou. De acordo com ele, o grupo que formaria a Brigada de Incêndio ainda estava sendo organizado. O presidente da Eletros disse também que o prédio foi reformado há cerca de dois anos. "Mudamos toda a parte elétrica, cabos, divisórias e reforçamos os equipamentos de combate à incêndio", disse. O 13º andar, onde funciona a presidência e a diretoria da Eletrobrás, não foi afetado pelo fogo. Leia maisIncêndio destrói parte de prédio no centro do RioParte do prédio da Eletrobrás pode desabarFalta de água atrapalha serviço dos bombeiros no RioSetenta soldados combatem incêndio no RioPrédio do Rio foi reformado e tem brigada de incêndioIncêndio no prédio da Eletrobrás está controladoHá risco de a parte externa do prédio da Eletrobrás desabar?Com resfriamento, concreto fica fragilizado?, diz Crea-RJ

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.