''Foi uma completa traição'', diz Erenice à revista ''IstoÉ''

Em entrevista à revista IstoÉ, a ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, defendeu-se das acusações. Ao afirmar que deixou recomendações claras para seu sucessor de investigar as acusações até o fim, Erenice explica que é possível que Vinícius Castro, ex-servidor e sócio de Israel Guerra, tenha praticado tráfico de influência. "Foi uma traição, uma completa traição."

, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2010 | 00h00

Ela voltou a afirmar que as denúncias fazem parte de uma campanha "sórdida e implacável" e "absolutamente vinculada ao momento político-eleitoral". Argumentou que, apesar de confiar no filho, não tem absoluto controle sobre suas ações. "Depois que uma pessoa passa a exercer um cargo público, seus filhos devem parar de se relacionar, trabalhar e ter amigos?", questionou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.