Foliões belgas distribuem laranjas em tradição secular

A cidade de Binche, a 55 quilômetros ao sul de Bruxelas, encerrou na terça-feira, 20, o carnaval mais tradicional da Bélgica com o desfile dos chamados Gilles de Mardi Gras, reconhecido pela Unesco como Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade. Seguindo um costume mantido desde o século XVI, os gilles - cerca de mil foliões, divididos em dez ?sociedades? - fecham a cada ano os três dias de festas do carnaval belga distribuindo ao público laranjas de gomos vermelhos típicas da região. Nessa cidade rural de 10 mil habitantes, a origem da tradição dos gilles até hoje não está clara. A lenda mais popular diz que a festa é uma recriação folclórica das celebrações realizadas desde 1549 pela rainha Maria da Hungria em homenagem a seu irmão, nas quais desfiles militares se misturavam com grandes banquetes e fogos de artifício. Tradição rural Apesar de ter passado por muitas modificações, a festa ainda representa a essência rural de Binche. Os gilles percorrem as principais ruas da cidade agitando maços de palha, ritmados pelo som de um único tambor, das sinetas que levam penduradas na cintura e das batidas de seus tamancos de madeira nos paralelepípedos do chão do centro histórico. Segundo a lenda popular, a roupa dos primeiros gilles teria sido inspirada nas descrições que eram feitas naquela época sobre as vestimentas dos incas americanos. O traje consiste basicamente em um conjunto de blusa e calça feitas em fibra de juta, bordadas com símbolos da monarquia, religiosidade e história belgas. A fantasia é completada por uma máscara de cera durante os desfiles matutinos e por um chapéu coberto com penas de avestruz de um metro e meio nos desfiles da tarde.

Agencia Estado,

21 Fevereiro 2007 | 10h33

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.